A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Milhares protestam contra Trump em Londres

Milhares protestam contra Trump em Londres
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Milhares de pessoas protestaram, esta terça-feira, nas ruas de Londres contra a visita de Estado de três dias de Donald Trump ao país.

No entanto, a afluência foi bastante inferior à registada nas manifestações, do ano passado, contra o presidente norte-americano.

As ruas próximas do Parlamento e diante da residência oficial da primeira-ministra foram cortadas pelas autoridades.

O líder do principal partido da oposição, o trabalhista Jeremy Corbyn, dirigiu-se aos manifestantes, chamando-lhes "a encarnação viva de uma sociedade democrática".

"Por isso digo aos nossos visitantes que chegaram esta semana: Pensem, por favor, num mundo que é de paz e de desarmamento. É um mundo que reconhece os valores de todas as pessoas, é um mundo que vence o racismo, derrota a misoginia, derrota o ódio religioso".

Trump é um dos líderes estrangeiros menos apreciados. Uma sondagem do YouGov revelou que apenas 21% dos britânicos têm opinião positiva do inquilino da Casa Branca.

"Não temos de oferecer uma visita de Estado ao presidente dos Estados Unidos. Desde que a Rainha está no trono, houve 12 presidentes norte-americanos e ofereceram uma visita de Estado a apenas dois. Não há, absolutamente, nenhuma necessidade de fazer isto. Ao fazê-lo, estamos a dar-lhe um sinal de honra e a normalizar a sua política, dizendo que a sua misoginia, o seu racismo, a sua islamofobia, o seu ódio não importam", afirma um dos manifestantes.

O balão do "bebé Trump" sobrevoou Londres, fazendo parte dos protestos.

Já o verdadeiro Donald Trump diz que é amado no Reino Unido e que praticamente não viu manifestações, por isso, diz que a maioria das notícias sobre os protestos são falsas.