Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Xi Jinping fortalece relações com a Rússia

Xi Jinping fortalece relações com a Rússia
Direitos de autor
REUTERS/Florence Lo/Pool/File Photo
Tamanho do texto Aa Aa

O presidente da China, Xi Jinping, inicia esta quarta-feira uma visita de três dias à Rússia. Os dois países querem mostrar à comunidade internacional, e em particular aos EUA, que estão cada vez mais próximos. Espera-se que da deslocação saiam acordos bilaterais entre os dois países, em áreas como a diplomacia.

Mas é o turismo que está em plena expansão. São cada vez mais os turistas chineses que visitam a Rússia. Desde a anexação da Crimeia, há cinco anos, que o rublo tem caído a pique, devido à pressão internacional do Ocidente. Situação que tornou o país mais atrativo e acessível para as famílias chinesas.

"O número de turistas chineses, na Rússia, quase duplicou desde 2014, Moscovo espera que esse crescimento chegue a outras esferas da sua economia e a que a guerra comercial entre os EUA e a China possa influenciar, positivamente, o diálogo entre os dois países", explica a correspondente da euronews em Moscovo, Galina Polonskaya.

A intensificação da guerra comercial entre Washington e Pequim aproximou os dois países que procuram superar os desafios que têm pela frente, no caso da Rússia devido às sanções impostas desde a anexação da Crimeia. O executivo chinês adiantava as relações entre os, agora, grandes aliados estão cada vez mais "maduras, estáveis e fortes":

"A Rússia está a passar pela escalada das sanções, a China pela guerra comercial com os EUA. Querendo ou não, os americanos ajudaram chineses e russos a aproximarem-se", refere Shiliang Sheng, investigador do Centro de Estudos sobre as Questões Mundiais de Xinhua.

"A lua-de-mel nas relações sino-americanas estava a fortalecer a economia mundial, e agora estamos diante de uma nova fase e ninguém sabe o que vai acontecer. É muito importante que a nível internacional haja uma força que equilibre os fatores negativos ou desestabilizadores, e a parceria russo-chinesa pode ser uma dessas forças", adianta Andrei Karneev, vice-diretor do Instituto de Estudos Asiáticos e Africanos da Universidade de Moscovo.

O chefe de Estado chinês participará no 23º Fórum Económico Internacional, que decorrerá em São Petersburgo, e que reúne dezenas de pequenas e médias empresas. Espera-se que sejam assinados vários acordos, em setores como o da energia e petróleo. Mas há barreiras, intransponíveis, entre os dois países:

"A China não vai perder os mercados ocidentais em favor do pequeno mercado da Federação Russa, a escala é incomparável. E as empresas privadas na China têm muito medo das sanções impostas contra empresas e bancos na Rússia", explica o gestor de capitais Maksim Orlovsky.

Questões económicas à parte, em termos Diplomáticos a aproximação, entre China e Rússia, cria preocupações à comunidade internacional porque esta aliança pode ter consequências em questões sensíveis como o Médio Oriente, a Coreia do Norte e a Venezuela. Espera-se, aliás, que estas problemáticas estejam em cima da mesa.