Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Minorias continuam pouco representadas no PE

Minorias continuam pouco representadas no PE
Tamanho do texto Aa Aa

Sajid Karim é um eurodeputado britânico de origem paquistanesa e é um dos 18 não brancos entre os atuais 751 membros do Parlamento Europeu, algo que considera chocante.

“Penso que é uma grande vergonha que nos dias de hoje nos encontremos numa situação em que muitas das nossas instituições - tanto a nível nacional como europeu - simplesmente não refletem as sociedades que escolhem representar. Enquanto assim for, haverá um défice na nossa democracia”, disse Sajid Karim à euronews.

O britânico não foi reeleito pelo Partido Conservador, que ficou em quinto lugar e só elegeu quatro pessoas, mas o Reino Unido é um dos países que costuma ter uma presença étnica mais diversificada no Parlamento Europeu.

Confrontar os partidos

A Rede Europeia contra o Racismo analisou os resultados das últimas eleições e diz que há uma representação de 5%, equivalente a 36 eurodeputados, quando essas minorias constituem 10% da população da UE.

A organização diz que cabe aos mais 400 milhões de eleitores fazerem pressão junto dos políticos.

"Tudo depende de confrontarmos os partidos nacionais com as suas responsabilidades. Se deixarmos claro que a igualdade e a diversidade são uma prioridade, e que votamos com base nisso, então vão ter de mudar a forma como elaboram as listas de candidatos. Precisamos que isso aconteça em países tais como a Bélgica que elegeu poucas pessoas de minorias porque não estavam no topo das listas", explicou, à euronews, Sarah Chandler, ativista da Rede.

Quando se concretizar o Brexit, os sete eurodeputados britânicos com origem em minorias étnicas abandonarão os assentos, reduzindo ainda mais a diversidade.

Outras instituições comunitárias, tais como a Comissão Europeia e o Conselho Europeu, ainda têm piores quadros nesta matéria, estimando-se que apenas 1% dos funcionários pertençam a minorias étnicas.