Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Arranca corrida à liderança do partido Conservador

Arranca corrida à liderança do partido Conservador
Tamanho do texto Aa Aa

A corrida para a liderança do partido Conservador marca a atualidade. Boris Johnson promete tornar ainda mais difícil negociar a saída do Reino Unido da União Europeia, afirmando que não pagará a fatura, acordada com o bloco forte europeu enquanto Bruxelas não revir as condições para o Brexit.

Jeremy Hunt, também candidato, está mais preocupado com mais uma catástrofe eleitoral se não se conseguir chegar a acordo:

"A liderança que ofereço é baseada numa simples verdade: sem Brexit não haverá governo conservador e talvez nem partido conservador. Quem concluir o Brexit vencerá a próxima eleição para o Partido Conservador, mas sem o Brexit nenhum primeiro-ministro do partido pode vencer", alertou o secretário para as Relações Exteriores.

O Brexit, e como seria de esperar, continua no centro do debate. Para o candidato Dominic Raab é preciso mudar de tom:

"Nós sofremos uma grande derrota. Precisamos de uma nova liderança e ela precisa de ser ousada, pautada com algum desse otimismo persistente. Não podemos, simplesmente, continuar a mancar passo, sem um claro sentido de direção, sem uma clara noção de propósito. A abordagem, ultrapassada, que nos colocou nessa confusão não vai tirar-nos dela", afirmou o ex-secretário para o Brexit.

Michael Gove está também na linha da frente entre os principais candidatos, ainda assim sobre o secretário para o Meio Ambiente, paira agora o facto de ter assumido ter consumido cocaína, há alguns anos.

O processo até à nomeação de um novo presidente será longo. Apenas os candidatos que tenham o apoio de 8 deputados podem seguir na corrida. A primeira ronda de votação acontece a 13 de junho. Aqueles que não forem eliminados passam por novo escrutínio a 18 de junho. No final serão apenas dois. O novo líder dos Conservadores será eleito a 22 de julho.

Longe desta e de futuras pressões fica Theresa May, a segunda mulher à frente de um governo britânico, e que carregou um fardo de peso incalculável nas costas.