Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

EUA acusam Irão de ataque a petroleiros

EUA acusam Irão de ataque a petroleiros
Direitos de autor
Tasnim News Agency/Handout via REUTERS
Tamanho do texto Aa Aa

Os Estados Unidos apresentaram o que dizem ser a prova de que o Irão é responsável pelo ataque a dois petroleiros no golfo de Omã, junto ao estreito de Ormuz, mas o país continua a negar qualquer envolvimento.

Ainda não há conclusões precisas sobre o método dos ataques. Fala-se em torpedos, mas também na possibilidade de os navios terem passado por minas.

O vídeo divulgado pelas autoridades norte-americanas mostra elementos da Guarda Revolucionária Iraniana a remover uma mina que não explodiu de um dos navios atacados.

Vídeo divulgado pelos EUA que, alegadamente, prova o envolvimento iraniano

Os dois petroleiros, o Front Altair e o Kokuka Courageous, pertencem a empresas da Noruega e do Japão.

É o segundo incidente em poucas semanas, depois do ataque a quatro petroleiros junto à costa dos Emirados Árabes Unidos. O secretário de Estado norte-americano Mike Pompeo não tem dúvidas de que o Irão está por detrás do sucedido: "A leitura dos Estados Unidos é que a República Islâmica do Irão é responsável pelos ataques no golfo de Omã. Esta leitura é baseada em informações dos serviços secretos, nas armas usadas, no nível de perícia necessário para executar esta operação, na semelhança com ataques anteriores por parte do Irão e ao facto de nenhum grupo a operar na área ter os recursos nem a competência para agir com este grau de sofisticação", disse Pompeo.

Os ataques acontecem na mesma altura em que o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe visita o Irão e se reúne com o líder supremo, Ali Khamenei, que põe de parte um regresso das negociações com os Estados Unidos. Donald Trump reagiu através do Twitter e disse que aprecia os esforços feitos pelo governo do Japão, mas é muito cedo para pensar sequer em fazer um acordo com o Irão.

Enquanto o Reino Unido diz que concorda com a posição americana de que o Irão está por detrás dos ataques, a França e a Alemanha, ambos signatários do acordo com o Irão do qual os Estados Unidos se retiraram, apelam à contenção. O secretário-geral da ONU, António Guterres, mostrou preocupação: "Registo com uma profunda preocupação o incidente desta manhã no estreito de Ormuz e condeno fortemente qualquer ataque contra navios civis. Têm de se estabelecer os factos e clarificar as responsabilidades. Se há algo que o mundo não pode suportar, neste momento, é um confronto na região do Golfo", disse.

O Irão e os Estados Unidos acusam-se mutuamente de estarem a desestabilizar a região e nenhum dos lados parece disposto a fazer algo para amenizar a tensão.