EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Irão e Reino Unido de costas voltadas

Irão e Reino Unido de costas voltadas
Direitos de autor 
De  Nara Madeira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Irão terá chamado o embaixador britânico em Teerão depois do país demonstrar, oficialmente, apoia aos EUA em relação aos ataques no Golfo de Omã.

PUBLICIDADE

Os membros da equipa do Front Altair, um dos dois petroleiros atacados na última semana, chegaram ao Dubai, quando o Irão se vira contra o Reino Unido - que apoia os EUA na responsabilização de Teerão pelos incidentes - e terá chamado o embaixador britânico. Informação avançada pela agência de notícias, semioficial, ISNA, mas negada por Londres.

Através das redes sociais o líder dos Trabalhistas, Jeremy Corbyn, que se mostra mais cauteloso, afirmou que o seu país não deve alimentar uma escalada da tensão militar, "que começou com a retirada dos EUA do acordo nuclear do Irão", acrescentando que "sem provas confiáveis" esta "retórica do governo só aumentará a ameaça de guerra".

Tomada de posição não apoiada por Jeremy Hunt. O candidato à liderança dos Conservadores critica Corbyn:

"Poder-se-ia pensar que é bastante óbvio quem é o responsável porque temos, de facto, provas. Um vídeo que mostra o que os iranianos têm feito. Mas não, para Jeremy Corbyn é tudo culpa dos EUA. E este é o mesmo homem que se recusou a condenar Putin após os ataques com Novichock em Salisbury", afirmou o também chefe da Diplomacia britânica.

O Irão continua a negar as acusações de estar por trás dos ataques no Golfo de Omã. Ataques esses que aumentam o medo de um confronto naquela que é uma rota vital no transporte de petróleo. Aliás, face a estes receios, o preço do crude aumentou na última sexta-feira.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tensão entre EUA e Irão está longe do fim

Petroleiros atacados com torpedos no golfo de Omã

G7 vai explorar formas de utilizar os ativos russos congelados para ajudar Kiev