Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Tensão entre EUA e Irão está longe do fim

Tensão entre EUA e Irão está longe do fim
Direitos de autor
Frontline/NTB Scanpix/via REUTERS
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Está longe de estar terminada a contenda entre EUA e Irão, sobre o ataque no estreito de Omã. O dono do petroleiro japonês, dizia, sexta-feira, que as informações, que estão a ser veiculadas pelos EUA, são falsas e que não acredita que os danos no navio tenham sido provocados por minas. Os EUA mantêm a sua versão e dizem estar à procura de consenso internacional:

"É uma situação, no Médio Oriente, de nível internacional. Não é uma questão a ser resolvida pelos EUA e estamos focados - eu, o embaixador Bolton e o secretário Pompeo - em construir um consenso internacional para esse problema que é internacional", referiu Patrick Shanahan, secretário da Defesa em exercício.

Militares norte-americanos dizem que as imagens, a preto e branco, filmadas a partir de uma aeronave dos EUA, mostram elementos da Guarda Revolucionária do Irão num barco patrulha a dirigirem-se para uma das embarcações atingidas para remover um mina que não explodiu.

O Irão afirma que o vídeo não prova nada e diz que está a ser transformado num bode expiatório. Os EUA garantem que estão já a ser preparados planos de contingência. O Reino Unido apoia os EUA mas preparam uma investigação:

"Vamos fazer a nossa própria avaliação, independente, temos como fazê-lo. Mas não temos nenhuma razão para não confiar na avaliação dos EUA, o nosso instinto é acreditar nela porque eles são os nossos aliados mais próximos", explicou Jeremy Hunt, o chefe da Diplomacia britânica.

O Secretário-geral das Nações Unidas também pede que se apurem responsabilidades, evitando um conflito:

"Acreditamos que é importante haver um claro consenso sobre as responsabilidades e acreditamos que é muito importante evitar um grande confronto no Golfo", adiantou António Guterres.

A contenda fez o preço do barril de petróleo aumentar, cerca de um por cento, na última sexta-feira. Já os custos, em termos de seguros para navios que navegam pelo Médio Oriente terão aumentado, pelo menos, 10 por cento, após os ataques que ocorreram quando o primeiro-ministro nipónico, Shinzo Abe, visitava Teerão. Uma missão de paz com uma mensagem de Donald Trump.

O Japão era um dos grandes compradores de petróleo iraniano até ser forçado a parar as encomendas devido às sanções dos EUA ao país.