Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Rússia diz que EUA põem segurança em risco

Rússia diz que EUA põem segurança em risco
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O embaixador russo na União Europeia alertou para o facto de que a política seguida pelos EUA poder levar a uma deterioração da segurança. Vladimir Chizhov falava na véspera da possível suspensão, pelo parlamento russo, da participação no Tratado de Forças Nucleares de Médio e Curto Alcance:

"Infelizmente, este tratado parece estar mais morto do que vivo, o que é um desenvolvimento muito negativo e lamentamos muito por isso. Não apenas pelo que isso significa para o acordo, mas também pela situação geral em termos do controlo de armas".

Para Chizhov o recente envio de tropas para a Polónia pode ser visto como uma das iniciativas que prova que o caminho que está a ser seguido pode não ser o melhor, em termos globais:

"Ao nível regional, na Europa isso cria discrepâncias. Houve um determinado número tropas americanas, se bem me lembro quatro mil e quinhentos, na Polónia, mas numa base de rotação. Agora estamos a falar de uma implementação permanente. Acredito que isso seja uma violação do ato fundador de 1997".

Espera-se que, na quarta-feira, um tribunal na Holanda anuncie os nomes das pessoas suspeitas de estarem ligadas à queda do avião da Malaysia Airlines, na Ucrânia. Investigadores ligam a tragédia à Rússia:

"O chamado grupo de investigação internacional recusou-se a cooperar com a Rússia desde o início. Depois disso fomos até acusados de não querer cooperar. Na realidade, inúmeras provas, um processo bem documentados, e apresentado pelo lado russo, foram simplesmente ignoradas. Por que é que a Malásia foi excluída do grupo de trabalho de investigação, mas a Ucrânia não? É absolutamente claro que a Ucrânia é culpada de não fechar seu espaço aéreo a voos nesta região", afirmou o diplomata russo.