Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Platini sai em liberdade e sem acusações

Platini sai em liberdade e sem acusações
Direitos de autor
REUTERS/Gonzalo Fuentes
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Ao fim de muitas horas de interrogatório, Michel Platini saiu em liberdade e sem qualquer acusação. Terça-feira, o ex-presidente da UEFA e antiga glória do futebol francês tinha sido detido para interrogatório pela unidade anticorrupção da polícia judiciária francesa, no quadro de um inquérito sobre o Mundial de 2022 no Qatar.

"Sempre estive sereno, porque não tenho nada a ver com estes casos. É um caso antigo, que conhecem bem e já foi explicado. Sempre falei com transparência sobre ele nos jornais, mas a investigação continua. Deveria ter sido ouvido como testemunha, mas acabei com o estatuto de detido para interrogatório (garde à vue, estatuto imediatamente inferior à mise en examen, correspondente na lei portuguesa à constituição de arguido - NDR). E isso magoa, tendo em conta tudo o que fiz e o que penso. A polícia fez o seu trabalho e eu tentei responder a tudo", disse Platini aos jornalistas.

O francês foi detido por suspeita de corrupção no que toca ao voto para a sede do Mundial de 2022, que decorreu em 2010. Em representação da UEFA, Platini estaria inclinado a votar nos Estados Unidos mas terá mudado o sentido de voto depois de um almoço com o então presidente francês Nicolas Sarkozy e com o príncipe herdeiro do Qatar. Sophie Dion, conselheira de Sarkozy para o desporto e o então secretário-geral do Eliseu Claude Guéant foram também ouvidos pelos investigadores e libertados sem acusações.