EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Sea Watch: Matteo Salvini responsabiliza a Holanda

Sea Watch: Matteo Salvini responsabiliza a Holanda
Direitos de autor  REUTERS/Guglielmo MangiapaneFalco, Salvatore
Direitos de autor  REUTERS/Guglielmo Mangiapane
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O ministro italiano do Interior responsabiliza a Holanda pela sorte dos migrantes a bordo do navio Sea Watch, que navega com pavilhão holandês.

PUBLICIDADE

O ministro italiano do Interior acusa a Holanda e a União Europeia de não se interessarem pela sorte dos migrantes que se encontram a bordo do navio Sea Watch 3.

Num tweet, Matteo Salvini diz que escreveu à sua homóloga holandesa e que acha "incrível" que o governo não se interesse por um navio que navega com pavilhão holandês.

Salvini pediu ainda a intervenção do governo holandês, junto do comandante e da tripulação do navio de forma a garantir o desembarque das pessoas a bordo, num local que não seja território italiano.

O navio humanitário Sea Watch 3 socorreu no dia 12 de junho um grupo de 53 migrantes que viajavam num barco de borracha. O comandante do navio, que navega sob pavilhão holandês mas foi fretado por uma ONG alemã, recusou-se a conduzir os migrantes à Líbia, de onde tinham saído, por razões de segurança.

Dez pessoas, entre as quais algumas mulheres grávidas, foram autorizadas a desembarcar na ilha de Lampedusa; os restantes continuam à espera de um porto seguro.

Roma ameaça confiscar o barco e aplicar uma multa de 50 mil euros se entrar em águas territoriais italianas.

Já este domingo, o governo de la Valetta anunciou que a marinha maltesa tinha socorrido 37 migrantes que se encontravam noutra embarcação, no Mediterrâneo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Lega de Salvini poderá estar implicada num escândalo de corrupção

ONG atraca em Lampedusa e desafia decreto de Salvini

Meloni visita a Albânia com crise das migrações no topo da agenda