Última hora

População iraniana é alvo direto das sanções dos EUA?

População iraniana é alvo direto das sanções dos EUA?
Direitos de autor
Nazanin Tabatabaee/Nazanin Tabatabaee/West Asia News Agency via REUTERS
Tamanho do texto Aa Aa

O enviado especial dos Estados Unidos para o Irão, Brian Hook, afirmou esta quinta-feira que a política de máxima pressão económica sobre Teerão está a funcionar. Apesar da administração Trump insistir que o governo iraniano é o principal alvo das duras sanções, os efeitos são sentidos na pele pela população.

Uma jovem iraniana diz: "Apesar do que tem sido dito, de que as sanções visam o governo e não têm efeito no quotidiano do povo, nós sentimos o impacto. Todos os dias, muitas pessoas são empurradas para a pobreza e os seus sacos de compras diminuem."

O regime iraniano também tem tentado minimizar os efeitos das sanções norte-americanas, mas a economia do país reflete a realidade, com uma inflação crescente, fortes quedas nas importações e exportações e uma depreciação da moeda, que se traduz também numa pressão adicional para a população.

Um professor iraniano afirma: "Aquilo que vimos no último ano é que os preços pelo menos duplicaram. Mas os rendimentos das pessoas não mudaram mais do que 10 ou 20 por cento e há mesmo quem tenha perdido o emprego devido às condições económicas."

E se a população fosse um alvo intencional? Muitos peritos iranianos acreditam que, apesar das declarações em sentido contrário, os Estados Unidos visam a população com o objetivo de criar um sentimento de insatisfação que poderá, eventualmente, conduzir a protestos nas ruas.

Uma opinião partilhada por Foad Izadi, professor na Universidade de Teerão:

"O objetivo das sanções é provocar a ira entre os cidadãos comuns, na esperança de que saiam à rua em protesto, para mudar o governo. Essa é a razão por trás das sanções. Por isso, quando os Estados Unidos dizem que estão a conduzir uma campanha de máxima pressão, aquilo que ouvimos é que estão interessados numa mudança de regime."

Com a escalada das tensões entre os Estados Unidos e o Irão, têm também crescido os receios de um conflito armado, apesar de ambos os lados afirmarem que não pretendem uma guerra.

Javad Montazeri, euronews: "O acordo nuclear tinha trazido esperança e alegria aos iranianos. A decisão de Trump de o abandonar levou a grandes preocupações financeiras para a população, que teme também agora a possibilidade de uma guerra, a qualquer momento."

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.