Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

ONU teme "apartheid climático"

ONU teme "apartheid climático"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os direitos humanos mais básicos podem não sobreviver às alterações climáticas, especialmente entre a população vulnerável dos países mais pobres.

A conclusão é da Organização das Nações Unidas e consta no relatório sobre a pobreza extrema e direitos humanos, apresentado esta sexta-feira por Philip Alstom.

De acordo com o relator especial da ONU, "a humanidade arrisca-se a enfrentar um cenário de "apartheid climático", em que os ricos pagam para evitar o sobreaquecimento, a fome e os conflitos, enquanto o resto do mundo é remetido ao sofrimento".

No mesmo documento, é defendido que vão ser os países em desenvolvimento a suportar 75% dos custos da crise climática. Um paradoxo se tivermos em conta que os 3 mil 500 milhões de pessoas que lá vivem são responsáveis por apenas 10% das emissões de carbono. Metade dessas mesmas emissões em todo o mundo têm origem nos mais ricos 10% da população.

Iniciativas como o ativismo de Greta Thunberg e as múltiplas manifestações contra as alterações climáticas têm nota positiva.

No entanto, Alston é muito crítico com governos, as ONG, os líderes políticos como Donald Trump ou até mesmo a própria Organização das Nações Unidas.

Para o relator, as instituições têm de fazer muito mais, porque acordos como o de Paris estão a fazer muito pouco.

As consequências estão já a vista. A falta de ação para reverter as alterações climáticas leva à progressiva escassez de água e comida. Um fenómeno que afeta os mais pobres, gera instabilidade nas regiões afetadas e dá muitas vezes origem a guerras, que apenas agravam o círculo vicioso do subdesenvolvimento.