Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Uganda: "Paraíso" dos refugiados em África

Uganda: "Paraíso" dos refugiados em África
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os refugiados chegam de barco às margens do Lago Albert no oeste do Uganda - fugindo do conflito na vizinha República Democrática do Congo (RDC).

Segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), em abril deste ano, entre 80 e 100 refugiados chegaram todos dias às fronteiras do país.

"No caminho para cá estavam a disparar, e as balas voavam mesmo atrás de nós. Eu vim para aqui para conseguir ajuda porque ouvi dizer que no Uganda ajudam os refugiados", diz Uketi Depite.

Já há vários anos que o Uganda abre continuamente as suas portas aos refugiados, numa altura em que muitos países estão a fechá-las. E chegam todos os dias.

"Hoje, Até agora, registei 86 indivíduos", revela um elemento do ACNUR.

Os refugiados recém-chegados parecem seguros de que serão acolhidos no Uganda. Angeyechan Nikuma diz: "Eu sabia que quando viesse para o Uganda haveria paz e eu arranjaria comida e roupas."

Actualmente existem no Uganda cerca de 1, 2 milhões de refugiados - de longe o maior número em África e o terceiro maior a nível mundial.

O repórter Jorgen Samso foi até ao Lago Albert: "Os Refugiados atravessam este lago fugindo essencialmente de conflitos na vizinha República Democrática do Congo. Mas chega gente de toda a África Oriental. Enquanto muitas nações estão a proteger as fronteiras e a afastar os refugiados, o Uganda continua a recebê-los".

O Uganda está entre os países mais pobres do mundo e depende fortemente da ajuda externa. Uma parte substancial dessa ajuda vem por apoio a esta política de portas abertas.

Nos últimos dois anos, a União Europeia, por exemplo, concedeu mais de 150 milhões de euros para esse fim.

Os refugiados podem viver, cultivar, trabalhar e circular livremente no país. Uma abordagem que deve inspirar outros países, diz diretor do Projeto de Refugiados do Uganda, Chris Nolan:

"De certa forma, é um modelo para outros países, mostrar que ao acolher as pessoas e dar-lhes algum espaço, alguma liberdade de circulação, alguma liberdade de emprego, isto pode funcionar e não cria automaticamente uma enorme crise para o país de acolhimento".

Parte da estratégia europeia de apoio ao Uganda consiste em dissuadir os refugiados de procurarem o norte, como fizeram muitos de nações africanas, em fuga da violência , da perseguição e da guerra, que acabaram em barcos raquíticos no Mediterrâneo, para tentarem chegar às costas da Europa. O embaixador da União Europeia no Uganda, Attilio Pacifici, admite: "Foram dadas quantias significativas de dinheiro ao Uganda para apoiar esta política muito, muito progressista. Aceitar refugiados vindos de um país vizinho, bem, nós fazemos isso quando isso acontece com a nossa vizinhança próxima. Ainda bem que o Uganda está a fazer isto! E nós teremos de ajudar. É claro que, com este processo, menos refugiados se dirigirão para a Europa".

Os que chegam às margens do Lago Albert são levados para povoados onde lhes é dado um pequeno lote de terreno e o necessário para construirem uma nova vida e um telhado para se abrigarem. O preço que a Europa paga para que não venham bater-lhe à porta.