Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Opositora de Trump coloca EUA nas "meias" e aceita convite (Atualizado)

Megan Rapinoe esteve em destaque no triunfo sobre a França e soma 5 golos no Mundial
Megan Rapinoe esteve em destaque no triunfo sobre a França e soma 5 golos no Mundial -
Direitos de autor
REUTERS/Benoit Tessier
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A futebolista opositora de Donald Trump, Megan Rapinoe, foi a grande estrela da seleção feminina dos Estados Unidos, ao marcar os dois golos do triunfo (2-1) sobre a França, nos quartos-de-final do Mundial de futebol.

Diante da equipa da casa, a avançada marcou o primeiro, logo aos cinco minutos de jogo, na sequência de um livre em que aproveitou a a confusão na área para ludibriar a guarda-redes gaulesa. O segundo surgiu aos 65, a culminar um eficaz contra-ataque.

As francesas ainda marcaram perto dos "90", por Wendy Renard, mas o sonho gaulês de voltar a vencer uma prova de futebol em casa ficou-se pelos "quartos."

A noite inspirada de Rapinoe culmina uma semana em que trocou argumentos de forma indireta com o próprio Presidente dos Estados Unidos, de quem é opositora da posiçãoassumida perante as comunidades LGBTI, da qual a futebolista faz parte e é ativista.

Durante este Mundial, Rapinoe tem-se recuado a cantar o hino americano em protesto contra o que diz serem políticas opressoras das minorias nos Estados Unidos, nomeademente as comunidades afro-americana e LGBTI.

Rapinoe começou por se associar ao protesto do jogador de futebol americano Colin Kaepernick, que se ajoelhava durante o hino em protesto contra a violência contra negros nos Estados Unidos e a passividade de Donald Trump perante o problema

Com a exigência de respeito ao hino por parte da Federação de Futebol dos Estados Unidos, que considerou "covarde", Rapinoe deixou de se ajoelhar, mas agora é a única futebolista da seleção que não canta o hino nem põe a mão sobre o coração como alguma das colegas de equipa.

Esse protesto no Mundial, durante o hino americano, foi sublinhado depois de Rapinoe, uma das capitãs da equipa, ter dito numa zona mista, à revista Eight by Eight, que não pretendia visitar "a merda da Casa Branca" e que nem acreditava que a seleção para tal fosse convidada por Trump.

O Presidente não se conteve e respondeu. Pelo Twiter, claro, no dia seguinte

"Megan deve vencer antes de falar. Acaba o trabalho. Ainda nem invitámos a Megan ou a equipa, mas eu estou agora a convidar a equipa, ganhe ou perca. A Megan não deve nunca desrepeitar a nossa nação, a Casa Branca ou a bandeira, em especial porque muito tem sido feito para ela e para a equipa. Tem orgulho da bandeira", escreveu Donald Trump, diringindo-se implicitamente a Rapinoe.

A futebolista "respondeu" no campo. Com os dois golos diante da seleção anfitriã do Mundial. Rapinoe acabou por personificar a qualificação dos Estados Unidos para as meias-finais, reforçando a possibilidade de revalidação do título de campeões mundiais de futebol feminino.

Rapinoe chegou também aos cinco golos no Mundial, igualando no topo das melhores marcadoras a compatriota Alex Morgan e uma das próximas adversárias, a inglesa Ellen White.

No final do encontro, questionada pelo "bis" decisivo em pleno mês do "orgulho gay", a futebolista, lésbica assumida desde 2012, afirmou: "Não se pode ganhar um campeonato sem 'gays' na equipa. Isso nunca aconteceu. Nunca. É ciência."

"Sou motivada por pessoas que gostam de mim e que estão a lutar pelas mesmas coisas. Ganho mais energia assim do que a tentar provar a alguém que está errado, o que é esgotante. Para mim, ser 'gay' e fabulosa durante o mês do Orgulho Mundial é bom", resumiu, sem se referir ao Presidente.

Em relação à Casa Branca, Rapinoe parece manter a posição, mas agora tem um novo convite e, para ela, mais apelativo.

A congressista Democrata Alexandria Ocasio-Cortez abriu as portas da Casa dos Representantes Rapinoe. "em qualquer altura que deseje", escreveu no Twitter.

Rapinoe aceitou.

As atuais campeãs do Mundo vão defrontar a Inglaterra, na terça-feira, por um lugar na final de Lyon.

Na outra meia-final, vão defrontar-se quarta-feira a Holanda e a Suécia.