Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Itália e Malta discutem distribuição de migrantes

Itália e Malta discutem distribuição de migrantes
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Um navio alemão resgatou 65 migrantes ao largo da Líbia, esta sexta-feira. Estavam a 55 quilómetros da costa, sem água potável suficiente, nem sistema de navegação.

Atualmente recebem cuidados a bordo do Aylan Kurdi, outra embarcação batizada e, homenagem ao menino que morreu afogado e deu à costa na Turquia, em 2015.

A Sea-Eye, responsável pelo resgate, afirma já ter contactado as autoridades líbias, mas sem resposta.

Ainda há poucos dias, outro navio, o Sea-Watch 3, forçava a entrada em Lampedusa, após duas semanas no mar sem porto para desembarcar os migrantes resgatados a bordo. A comandante acabaria por ser detida e enfrenta agora uma batalha legal.

Decidiu ficar em Itália, para comparecer a uma audiência na próxima terça-feira. Mas encontra-se em paradeiro desconhecido. Carola Rackete confessa recear pela própria vida. Depois de ter aportado em Lampedusa, contra indicação das autoridades, com 42 migrantes a bordo, recebeu múltiplas ameaças, físicas e até de morte.

Uma semana depois de o Sea-Watch 3 ter chegado a Itália, outro navio de resgate, o Alex, desta vez ao comando de uma organização italiana, a Mediterranean Saving Humans, desafia Matteo Salvini a deixar desembarcar 54 pessoas resgatadas no Mediterrâneo.

"A situação está sob controlo, mas prevenir é melhor que remediar. E isso aplica-se tanto em terra como no mar, já que estou a lidar, desde ontem à noite, com outra ONG caprichosa que na semana passada não quis ir para a Tunísia e hoje não quer ir para Malta", afirmou o ministro italiano do Interior.

Malta já aceitou receber as 54 pessoas resgatadas, mas em troca, avisa, irá enviar o mesmo número de migrantes para Itália. A Mediterranean Saving Humans esclarece que não rejeitou ir para Malta, apenas que precisou de um porto para pernoitar e avisar que, no meio deste jogo político, está a ficar sem mantimentos.