Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Irão quer quebrar acordo nuclear

Irão quer quebrar acordo nuclear
Direitos de autor
Nazanin Tabatabaee/WANA (West Asia News Agency) via REUTERS
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Irão anunciou que vai violar o acordo nuclear e começar, "nas próximas horas", a enriquecer urânio a um nível proibido. Uma taxa superior aos 3,67% estipulados pelo programa assinado em 2015, com outras seis potências (China, Estados Unidos da América, França, Reino Unido, Rússia e Alemanha), em Viena.

Em cima da mesa estão outras revogações ao programa, para levar a cabo em "60 dias", caso os parceiros internacionais não respondam às exigências do Irão.

De acordo com o vice-ministro iraniano dos Negócios Estrangeiros ainda há margem para negociações, antes de o país dar início à terceira etapa do plano de redução dos compromissos assumidos em Viena. Abbas Araqchi não revelou, contudo, a nova taxa a que o Irão pretende enriquecer o metal radioativo.

O primeiro-ministro de Israel insta a comunidade internacional a reagir. Benjamin Netanyahu alega que "o enriquecimento de urânio só se faz por uma única razão, a criação de bombas atómicas" e quer que os países que assinaram o acordo nuclear voltem a aplicar sanções ao Irão.

Os Estados Unidos já se tinham retirado do acordo em maio de 2018 e voltar a submeter o Irão a sanções. A pedido dos norte-americanos, a Agência Internacional de Energia Atómica (AEIA) anunciou que vai ser realizada a 10 de julho uma reunião para analisar as revogações anunciadas pelo Irão.