Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Opinião judicial sobre Facebook sairá em dezembro

Opinião judicial sobre Facebook sairá em dezembro
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Tribunal de Justiça da União Europeia estabeleceu 12 de dezembro como data para dar opinião sobre a queixa do ativista Max Schrems contra o Facebook, por alegado abuso na transferência de dados dos cidadãos europeus para os EUA.

A decisão afetará a forma como centenas de milhares de empresas em todo o mundo lidam com dados tais como os dos pagamentos com cartões de crédito ou o histórico de compras na Internet.

"Mesmo que o caso seja apenas sobre o Facebook, terá uma implicação ampla. É um processo onde vamos aferir qual o nível de tolerância do tribunal sobre a violação do direito dos cidadãos à privacidade e quais são as ameaças que existem a esse nível na chamada economia digital", disse, à euronews, Estelle Masse, ativista pela proteção dos direitos digitais na organização não-governamental Access Now.

O ativista Max Schrems despoletou o caso por causa de alegados abusos na partilha de dados com os serviços secretos norte-americanos e com empresas de consultoria política, tendo apresentado a queixa em 2013, num tribunal da Irlanda, país onde fica a sede europeia do Facebook.

A comissária europeia para a Justiça, Vera Jourova, disse, no Twitter, que defende um "equilíbrio entre benefícios economicos e liberdades dos cidadãos", mas há diferentes padrões na Europa e nos EUA.

"O problema tem a ver com diferentes níveis de proteção: na Europa aplicamos regras claras, mas quando os dados são transferidos para os EUA deixamos de ter o direito de remediar qualquer violação dos direitos que ocorra nesse país", acrescentou Estelle Masse.

O caso chegou agora à mais alta instância judicial da União Europeia e inquieta muitas empresas. As transferências transfronteiriças de dados dos cidadãos valem milhares de milhões de euros para entidades tais como bancos, agências de emprego e fabricantes tecnologia.