Última hora
This content is not available in your region

Argentina lembra pior atentado da história

Argentina lembra pior atentado da história
Direitos de autor
Buenos Aires, Argentina, July 18, 2019. REUTERS/Agustin Marcarian
Tamanho do texto Aa Aa

Sirenes e sinos ecoaram por toda a capital argentina (Buenos Aires) para homenagear as 85 pessoas que morreram no pior ataque terrorista da Argentina.

25 anos depois do atentado bombista que atingiu a Associação Mutualista Israelita Argentina (AMIA), ainda ninguém foi acusado. As famílias das vítimas, a comunidade judaica e a sociedade como um todo, exigem justiça.

"Como é possível que 25 anos depois não tenha havido uma única pessoa presa por este crime contra a humanidade? A nossa sociedade exige que a justiça seja feita urgentemente, porque entende que não há outra maneira de evitar a repetição dos erros do passado. 25 anos passaram e a ferida continua aberta, uma ferida que não pode ser fechada sem justiça," afirmou o presidente da AMIA, Ariel Eichbaum.

A comunidade judaica e a justiça argentina atribuem o ataque ao então governo do Irão e à organização islâmica libanesa Hezbollah.

A Amnistia Internacional (AI) pediu ao Estado argentino que reforce a investigação para esclarecer o que aconteceu.

"Toda uma geração de argentinos testemunha a impunidade e a falta de justiça. Foi um golpe para todo o país, para o nosso sistema democrático e para todo e qualquer argentino," declarou Presidente da Argentina, Mauricio Macri.

De recordar que o ataque à AMIA ocorreu dois anos depois de um atentado bombista contra a embaixada de Israel em Buenos Aires ter provocado 29 mortos. A maioria das vítimas eram civis argentinos, muitas delas crianças. Um fato para o qual também não há condenações.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.