EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Argentina lembra pior atentado da história

Argentina lembra pior atentado da história
Direitos de autor  Buenos Aires, Argentina, July 18, 2019. REUTERS/Agustin Marcarian
Direitos de autor  Buenos Aires, Argentina, July 18, 2019. REUTERS/Agustin Marcarian
De  Luis Guita
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

25 anos depois do atentado bombista que atingiu Buenos Aires, a capital argentina homenageou as 85 vítimas mortais do ataque contra a Associação Mutualista Israelita Argentina (AMIA).

PUBLICIDADE

Sirenes e sinos ecoaram por toda a capital argentina (Buenos Aires) para homenagear as 85 pessoas que morreram no pior ataque terrorista da Argentina.

25 anos depois do atentado bombista que atingiu a Associação Mutualista Israelita Argentina (AMIA), ainda ninguém foi acusado. As famílias das vítimas, a comunidade judaica e a sociedade como um todo, exigem justiça.

"Como é possível que 25 anos depois não tenha havido uma única pessoa presa por este crime contra a humanidade? A nossa sociedade exige que a justiça seja feita urgentemente, porque entende que não há outra maneira de evitar a repetição dos erros do passado. 25 anos passaram e a ferida continua aberta, uma ferida que não pode ser fechada sem justiça," afirmou o presidente da AMIA, Ariel Eichbaum.

A comunidade judaica e a justiça argentina atribuem o ataque ao então governo do Irão e à organização islâmica libanesa Hezbollah.

A Amnistia Internacional (AI) pediu ao Estado argentino que reforce a investigação para esclarecer o que aconteceu.

"Toda uma geração de argentinos testemunha a impunidade e a falta de justiça. Foi um golpe para todo o país, para o nosso sistema democrático e para todo e qualquer argentino," declarou Presidente da Argentina, Mauricio Macri.

De recordar que o ataque à AMIA ocorreu dois anos depois de um atentado bombista contra a embaixada de Israel em Buenos Aires ter provocado 29 mortos. A maioria das vítimas eram civis argentinos, muitas delas crianças. Um fato para o qual também não há condenações.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

501 caixões e 200 sacos com cadáveres encontrados abandonados na Argentina

Argentina fora dos BRICS por decisão de Milei

Manifestação contra Javier Milei reprimida pela polícia argentina