A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Ucrânia volta às urnas para eleições legislativas antecipadas

Ucrânia volta às urnas para eleições legislativas antecipadas
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Domingo é dia de eleições legislativas antecipadas, na Ucrânia. Segundo os analistas, a antecipação destas eleições deve favorecer o partido do atual presidente, Volodymyr Zelenskyi.

O partido "O Servo do Povo" sai favorecido pela enorme popularidade de Zelenskyi, mas espera-se que outros 4 partidos atinjam o mínimo exigido de 5% para conseguir representação parlamentar.

A “Plataforma de Oposição – Para a Vida” de Yuri Boiko, um aliado próximo do Presidente russo Vladimir Putin, tem muita força no sul e no leste do país, mas o projeto político "Solidariedade" de Petro Poroshenko também recebe destaque.

Assim como o o partido “Voz”, da estrela de rock Svyatoslav Vakarchuk e o "Pátria" da ex-primeira-ministra ucraniana, Yulia Tymoshenko.

Ao prometer mudança radicais no sistema no país, Zelensky esmagou o antecessor, Petro Poroshenko e agora promete caras completamente novas no Parlamento.

"Se colocarmos esses candidatos em grupos, haverá alguns maiores: o primeiro e o maior são os empresários que podem investir na campanha e conseguir uma boa reputação no mercado. O segundo grupo são os ativistas que são bastante conhecidos pelo envolvimento noutras atividades - como as ONGs, ou o jornalismo. Haverá representantes locais a tentar chegar ao palco nacional ao serem eleitos para o parlamento. E há pessoas das equipas dos chefes de partido - pessoas que tinham negócios em comum com os líderes do partido, por exemplo."
Olha Aivazovska
analista política - Opora

O controlo do parlamento vai ser decisivo para o novo Presidente ucraniano, num país minado pela corrupção e envolvido num conflito com os separatistas pró-russos no leste do país.