A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Explorações de petróleo ameaçam ilhas gregas

Explorações de petróleo ameaçam ilhas gregas
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Está em risco uma das jóias do turismo grego. Quem o diz é o Fundo para a Proteção da Natureza (WWF). A organização lança o alerta para Zaquintos: a riqueza natural da ilha pode desaparecer. Em causa, a decisão do governo grego de concessionar 17 mil quilómetros quadrados de mar para a exploração petrolífera.

O Fundo para a Proteção da Natureza enviou o veleiro "Blue Panda" para patrulhar o local e chamar a atenção. A bordo, Demitres Karavellas, o diretor-geral da organização da Grécia explica à euronews que "estamos a falar de áreas com enorme importância ecológica, mas também de grande importância turística. Cerca de um terço do Produto Interno Bruto das ilhas jónicas vem do turismo. Imaginemos o cenário de um pequeno ou g rande acidente com petróleo nestas águas e o impacto que teria nestas ilhas."

Os ativistas têm multiplicado os contactos de sensibilização com a população e empresários locais.

Filmaram mesmo um protesto subaquático para mostrar a pureza do ecossistema que é ameaçado pela exploração de petróleo. "Salvem o paraíso; A Grécia livre de petróleo" é o slogan da campanha que já faz eco em terra. Antonis Nikoloudakis, proprietário de um hotel em Zaquintos, aponta o dedo ao executivo de Atenas: «Hoje a Europa está a virar as costas à exploração de petróleo, mas a Grécia prefere escolher um caminho diferente. Um acidente com petróleo seria devastador tanto para o ambiente natural em Zaquintos, como para o turismo, que é a maior fonte de rendimento na economia das ilhas gregas," afirma.

O governo argumenta que a Grécia incorporou todas as leis europeias de proteção do ambiente, que são as mais restritivas do mundo. As organizações não governamentais e ativistas internacionais insistem que um ecossistema icónico e muito sensível está a ser posto em risco para um pequeno e duvidoso retorno financeiro.