A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Princesa Haya "refugia-se" na justiça britânica

Princesa Haya "refugia-se" na justiça britânica
Direitos de autor
REUTERS/Toby Melville
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A princesa Haya, sexta mulher do vice-presidente dos Emirados Árabes Unidos e emir do Dubai, Mohammed bin Rachid al-Maktoum, pediu, esta terça-feira, à justiça britânica a emissão de uma ordem de "não-molestamento" e de "proteção contra um casamento forçado", de acordo com a agência de notícias britânica PA.

Haya bint al-Hussein, de 45 anos de idade, é filha do falecido rei Hussein da Jordânia e meia-irmã do rei Abdullah II da Jordânia. A princesa pediu também, durante uma sessão no Supremo Tribunal de Justiça, a custódia dos filhos. Foi acompanhada pela advogada Fiona Shackleton, que representou o príncipe Carlos no processo de divórcio com a princesa Diana.

Os advogados do xeque Mohammed contestaram o pedido. O emir não esteve em tribunal mas foi representado por Helen Ward, que geriu o processo de divórcio entre Guy Ritchie e Madonna.

A princesa fugiu do Dubai e do marido. Vários meios de comunicação social chegaram a sugerir que Haya estivesse escondida em Londres. Ao partir terá, alegadamente, levado os dois filhos, Jalila e Zayed.

Desconhecem-se as causas da decisão, mas alguns jornais chegaram a falar nas suspeitas de um caso extraconjugal com o guarda-costas britânico de Haya ou nos maus tratos à princesa Latifa, uma das filhas do emir que também desapareceu. Acabou por ser apanhada na Índia e foi obrigada a regressar.

De acordo com o "The Guardian", Haya e os filhos poderão estar sob proteção da família real britânica. A princesa é amiga de longa data de Carlos e de Camila Parker-Bowles.