A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Tiroteio no Texas tratado como "terrorismo doméstico"

Tiroteio no Texas tratado como "terrorismo doméstico"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A polícia de Ohio divulgou imagens do momento em que um homem abriu fogo na cidade de Dayton. Em apenas um minuto, nove pessoas morreram, incluindo a irmã do atirador.

A violência dominou o fim de semana nos Estados Unidos. O tiroteio em Dayton e outro em El Paso, no Texas tiraram a vida a 29 pessoas. O atirador de Dayton foi morto a tiro pela polícia, no local.

O presidente Donald Trump falou sobre os dois ataques e disse não haver espaço para o ódio nos Estados Unidos: "Em meu nome e da nossa primeira-dama: condolências a todos. É preciso travar isto. É algo que acontece há anos e anos no nosso país... Temos de acabar com isto."

As autoridades norte-americanas estão a tratar o tiroteio do Texas como terrorismo doméstico e falam na pena de morte para o atirador de 21 anos. O homem terá publicado um documento on-line dizendo que o ataque é uma resposta à "invasão hispânica do Texas".

O candidato presidencial Beto O'Rourke acusou Trump de alimentar o ódio no seu discurso: "Vemos um presidente que, no primeiro discurso como candidato ao mais alto cargo, descreveu os imigrantes mexicanos como sendo violadores e criminosos; tem alertado para as ameaças das caravanas de migrantes e de requerentes de asilo - que descreveu como animais e como uma infestação - apesar da taxa de criminalidade entre imigrantes ser muito menor do que entre aqueles que nasceram neste país."

Os comentários de O'Rouke foram criticados pela conselheira de Trump. Kellyanne Conway disse que não há necessidade de fazer do caso uma questão política e que apontar o dedo não resolve nada e não salva vidas.

Entretanto o debate sobre o controlo de porte de armas volta a reacender-se nos Estados Unidos. O atirador de Dayton tinha comprado a arma utilizada no ataque, legalmente, online.