EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Motoristas só trabalham oito horas

Motoristas só trabalham oito horas
Direitos de autor 
De  Ana RuivoEuronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Segundo o Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas, está a ser cumprido apenas o tempo regulamentar de trabalho, o que representa cerca de metade das horas habituais

PUBLICIDADE

Todos os motoristas de matérias perigosas escalados para serviços mínimos estão a trabalhar. A informação foi avançada na manhã desta terça, segundo dia de greve e primeiro em que funciona a requisição civil, pelo porta-voz do Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas.

Em declarações aos jornalistas, Pedro Pardal Henriques explicou que os motoristas estão a cumprir as oito horas regulamentares de trabalho, o que representa cerca de metade das horas habituais.

Pardal Henriques afirmou que a única coisa que mudou desde ontem é que agora o trabalho está a ser cumprido com uma “pistola apontada à cabeça”, numa referência à decisão do governo de avançar com a requisição civil.

Numa altura em que os combustíveis começam a escassear na maioria dos postos de abastecimento, a proteção civil conta com camiões-cisterna militares em locais estratégicos do país. As reservas podem ser acionadas também em situações de combate a incêndios.

Para os próximos dias, está previsto um aumento da temperatura. Em Bragança, Viseu e Castelo Branco o risco de incêndio vai ser elevado.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Conselho Europeu propõe mudanças nos direitos dos passageiros

Motoristas decidem greve em plenário sindical

Governo português não alarga requisição civil