A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Motoristas só trabalham oito horas

Motoristas só trabalham oito horas
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Todos os motoristas de matérias perigosas escalados para serviços mínimos estão a trabalhar. A informação foi avançada na manhã desta terça, segundo dia de greve e primeiro em que funciona a requisição civil, pelo porta-voz do Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas.

Em declarações aos jornalistas, Pedro Pardal Henriques explicou que os motoristas estão a cumprir as oito horas regulamentares de trabalho, o que representa cerca de metade das horas habituais.

Pardal Henriques afirmou que a única coisa que mudou desde ontem é que agora o trabalho está a ser cumprido com uma “pistola apontada à cabeça”, numa referência à decisão do governo de avançar com a requisição civil.

Numa altura em que os combustíveis começam a escassear na maioria dos postos de abastecimento, a proteção civil conta com camiões-cisterna militares em locais estratégicos do país. As reservas podem ser acionadas também em situações de combate a incêndios.

Para os próximos dias, está previsto um aumento da temperatura. Em Bragança, Viseu e Castelo Branco o risco de incêndio vai ser elevado.