A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Governo português não alarga requisição civil

Governo português não alarga requisição civil
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Ao terceiro dia de greve dos motoristas de matérias perigosas, em Portugal, o Ministério do Ambiente e da Transição Energética garante que não vai haver alargamento da requisição civil, decretada esta terça-feira. De acordo com o executivo português os serviços mínimos foram "genericamente cumpridos".

Agora, o sindicato quer voltar à mesa de negociações com os patrões. "O caos vai aumentar e revolta destas pessaos vai aumentar. Eu queria lançar aqui um desafio público - já que estão todos a filmar - ao dr. André Almeida, à ANTRAM, para que amanhã, às 15h, possam estar na DGERT (Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho) para falar connosco", declarou o vice-presidente do Sindicato de Motoristas de Matérias Perigosas, Pedro Pardal Henriques.

O desafio permanece, até ao momento, sem resposta. A associação que representa as empresas transportadoras recusou-se a prestar declarações até apresentar ao governo um documento elaborado com a FECTRANS, sindicato afeto à CGTP, que não aderiu à greve dos motoristas.

Até lá, a greve mantém-se por tempo indeterminado. Esta quarta-feira, de acordo com o executivo português, 197 postos nas zonas rurais do país, fora da rede de emergência, estão sem combustível.