Última hora

Um piquenique que precipitou o fim da Cortina de Ferro

Um piquenique que precipitou o fim da Cortina de Ferro
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Símbolo de convivência pacífica, em teoria, na prática, o "Piquenique Pan-Europeu" de 19 de agosto de 1989 teve um efeito dominó na mudança de regime no bloco comunista da Europa do Leste.

O evento, que decorreu na fronteira austro-húngara, perto da cidade húngara de Sopron, acabou por abrir a primeira brecha na Cortina de Ferro. Cerca de 600 pessoas da Alemanha Oriental aproveitaram a abertura da fronteira durante três horas para fugir.

A Hungria decidiu desmantelar as instalações de vigilância estabelecidas ao longo da fronteira em maio. Em junho, os chefes da diplomacia austríaca e húngara, Alois Mock e Gyula Horn, cortaram simbolicamente parte da vedação que separava os dois lados.

No outono desse mesmo ano, começou o declínio comunista. Erich Honecker, líder da República Democrática Alemã, foi obrigado a demitir-se. Em novembro caiu o muro de Berlim.

Na Polónia, a oposição liderada pelo movimento Solidariedade estava em conversações com o Partido Comunista. Em junho houve eleições parcialmente livres e em setembro Tadeusz Mazowiecki tornou-se no primeiro chefe de Governo não comunista no leste europeu.

Em Varsóvia, a estátua de Félix Dzerjinsky, um símbolo da opressão comunista, acabou por ser demolida em novembro.

Nesse mesmo mês, na então Checoslováquia, começaram manifestações em massa. A Revolução de Veludo acabaria por precipitar a queda do regime do partido comunista. Václav Havel tornou-se um ícone da Revolução. Foi o último presidente da Checoslováquia e eleito primeiro chefe de Governo da República Checa.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.