A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Boris Johnson procura consenso em Berlim

Boris Johnson procura consenso em Berlim
Direitos de autor
REUTERS/Peter Nicholls/Pool
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Boris Johnson encontra-se, esta quarta-feira, com Angela Merkel em Berlim. A possibilidade de um Brexit sem acordo faz temer o pior e há mesmo, entre os deputados britânicos, quem diga que se vive uma situação de emergência e esteja disponível para regressar mais cedo de férias para uma reunião de urgência.

Entre Bruxelas e Londres não há acordo mas o primeiro-ministro britânico acredita que ele é possível:

"Por agora os nossos amigos e parceiros estão um pouco negativistas. Mas ouvi o que Donald Tusk tinha a dizer e o sentimento é de otimismo. Acho que chegaremos lá. Há a perceção de que algo tem ser feito, neste momento não é possível conseguir o chamado 'backstop' através do parlamento", afirmou o chefe do executivo.

Terça-feira, a União Europeia rejeitou a exigência de Johnson de reabrir o acordo para o Brexit. Numa carta enviada ao presidente do Conselho Europeu Johnson procurava fazer valer as suas exigências antes de partir para Berlim e depois para Paris.

Para Donald Tusk o chefe de governo britânico não ofereceu uma alternativa realista e lembrava que é fundamental o "backstop", mecanismo de salvaguarda que obrigará o Reino Unido a cumprir muitos dos regulamentos europeus, para evitar o regresso da fronteira física entre as Irlandas, até ser alcançado um outro acordo.

A chanceler alemã também permanece firme na sua posição. Na Islândia afirmou que o acordo de saída não será reaberto.

A moeda britânica já perdeu 16 por cento do seu valor, em relação ao euro, desde o referendo de 2016 e caiu 2,26 por cento desde que Boris Johnson assumiu o cargo de primeiro-ministro, no final de julho, e começou a apontar para uma saída da União Europeia sem acordo.