Johnson comprometido com acordo sem "backstop"

Johnson comprometido com acordo sem "backstop"
De  Euronews com AFP / Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Primeiro-ministro britânico escreveu carta ao presidente do Conselho Europeu

PUBLICIDADE

Apesar de continuar a preparar o Reino Unido para um Brexit sem acordo, Boris Johnson reafirma a vontade de encontrar um compromisso com a União Europeia.

Uma mensagem expressa pelo primeiro-ministro britânico numa carta ao presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, na qual Johnson manifesta, no entanto, a oposição ao "backstop", o mecanismo de salvaguarda incluído no acordo negociado entre Bruxelas e a antecessora, Theresa May, para evitar um regresso da fronteira entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda.

Johnson diz que o "backstop" é "antidemocrático e incompatível com a soberania do Reino Unido", "inconsistente com o desejo [do país] de uma relação duradoura com a União Europeia" e "põe em risco o balanço delicado obtido com o Acordo de Sexta-Feira Santa", que trouxe a paz à Irlanda do Norte.

O primeiro-ministro britânico afirma que "os amigos e parceiros [do Reino Unido] no outro lado do Canal [da Mancha] estão um pouco relutantes, de momento, em mudar de posição". Johnson diz estar "confiante que o farão", mas que "entretanto é preciso preparar-se para uma situação sem acordo".

Num endurecimento de posição, o governo britânico precisou que, se não houver acordo até 31 de outubro, as regras europeias de liberdade de movimentos deixarão imediatamente de funcionar, contrariamente ao período de transição de dois anos previsto pelo anterior executivo de May, com um efeito direto para os cidadãos europeus que chegam ao país a partir de novembro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Boris Johnson procura consenso em Berlim

Unionistas terminam bloqueio: parlamento da Irlanda do Norte pode retomar atividade no fim de semana

Batalha legal contra as "prisões" temporárias de requerentes de asilo em Inglaterra