A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Polícia usa gás lacrimogéneo para dispersar manifestantes em Hong Kong

Polícia usa gás lacrimogéneo para dispersar manifestantes em Hong Kong
Direitos de autor
REUTERS/Tyrone Siu
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Ao fim de 10 dias, a polícia voltou a recorrer a gás lacrimogéneo para fazer calar os protestos anti-governo em Hong Kong.

O confronto teve lugar no porto da zona industrial de Kwun Tong, sob o calor intenso que se faz sentir na região.

Em barricadas improvisadas, os manifestantes exigiam que os os postes de eletricidade inteligentes fossem deitados abaixo. Temem que dados privados, como a identificação facial, estejam a ser recolhidos através de câmaras ocultas pelas autoridades chinesas.

A mais recente onda de manifestações em Hong Kong dura há quase três meses. Na origem, uma lei, agora suspensa, a permitir a extradição para a China continental de suspeitos de crimes Hong Kong.

Na agenda das contestações há uma nova data. Milhões de pessoas prometem reunir-se a 31 de agosto, num protesto pacífico para assinalar os cinco anos do veto de Pequim à possibilidade de sufrágio universal na região.

A região autónoma está sob domínio chinês desde 1997. Atualmente, os habitantes locais temem a perda de liberdades garantidas pelo regime de autonomia.