A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Pouco militar para tanto fogo

Pouco militar para tanto fogo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Apesar de ocorrem regularmente na estação seca no Brasil, os incêndios florestais também podem ser provocados de forma intencional.

Os ambientalistas acusam Jair Bolsonaro de encorajar madeireiros e fazendeiros a atearem o fogo.

O Presidente do Brasil prometeu que ia enviar militares para combaterem as chamas mas a entrada em ação é uma incógnita.

"Novos incêndios são declarados todos os dias nesta vasta área, às vezes centenas por dia. O Brasil enfrenta uma tarefa enorme - não é apenas um grande incêndio - há dezenas de milhares. Alguns perto daqui, outros a milhares de quilómetros.

Nos últimos dias, o exército brasileiro entrou em ação. O governo do presidente Jair Bolsonaro declarou que 44 mil soldados poderiam ser enviados para seis estados, mas quantos deles realmente ajudarão a acabar com os incêndios, quando e onde eles poderão fazer isso são outras questões. Até agora um número muito limitado de soldados tem sido usado. 700 soldados e dois aviões militares estão na cidade de Porto Velho, é lá que foram feitas muitas imagens nos últimos dias.

Em teoria, o presidente Jair Bolsonaro fez meia volta e está a reagir à pressão internacional, mas, nesta fase, não é uma ação militar de grande envergadura para combater os incêndios no terreno," revela o jornalista da euronews em Manaus, capital do estado do Amazonas, Philip Crowther