A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Trump pronto a negociar desde que Irão "se porte bem"

Trump pronto a negociar desde que Irão "se porte bem"
Direitos de autor
REUTERS/Christian Hartmann/Pool
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Emmanuel Macron acredita que poderá estar para breve um encontro entre Donald Trump e Hassan Rouhani.

Na conferência de imprensa de encerramento da cimeira do G7 em Biarritz, o presidente francês afirmou que o grupo dos sete países mais industrializados do mundo concordou que o Irão não deve obter armas nucleares e que é necessário que o país volte aos mercados mundiais.

Macron sublinhou que tanto o presidente norte-americano como o presidente iraniano se mostraram disponíveis para se sentarem a uma mesa para renegociar o acordo nuclear iraniano, que ruiu este ano após a retirada dos Estados Unidos da América.

"O que disse a Javad Zarif e o que disse, por telefone, ao Presidente Rouhani é que se ele aceitar uma reunião com o Presidente Trump, estou convencido de que é possível chegar a um acordo", afirmou Emmanuel Macron.

Donald Trump afirmou que está pronto para se reunir com Hassan Rouhani desde que estejam reunidas as condições. O presidente norte-americano denunciou, novamente, o mau acordo estabelecido em 2015 e deixou um aviso a Teerão.

"Têm de ser bons jogadores, se é que me entendem. Não podem fazer o que estavam a dizer que iam fazer, porque se fizerem isso, serão recebidos com uma força muito violenta. Então, creio que se vão portar bem".

Donald Trump mostrou-se, também, disponível retomar em breve as negociações com a China para discutir um acordo comercial. As tensões entre as duas maiores economias mundiais aumentou nos últimos meses como os dois países a adotarem medidas mutuamente penalizadoras.

Trump afirmou que o pedido partiu de Pequim.

"Penso que o Presidente Xi é um grande líder, um homem brilhante. Ele não pode perder 3 milhões de empregos num tão curto período de tempo. (...) Creio que eles querem fazer um acordo. Não tenho a certeza de que tenham escolha e eu não digo isto como uma ameaça", ressalva Trump.

A próxima cimeira do G7 ocorrerá em 2020, nos Estados Unidos. Donald Trump anunciou que pondera acolher a reunião na sua estância de Golfe em Miami, no estado da Florida. Quem já disse que não pretende estar presente é a Rússia. O Governo de Vladimir Putin fez questão de frisar que não pretende retornar às reuniões dos países mais industrializados do mundo.