A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Novo executivo italiano já entrou em funções

Novo executivo italiano já entrou em funções
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O novo executivo italiano tomou posse esta quinta-feira na presença do presidente Sergio Mattarella.

Nascida de dois antigos opositores políticos, o Movimento 5 Estrelas e o Partido Democrático, a nova coligação apresenta um cunho à esquerda e é decididamente pró-europeia.

O primeiro-ministro Giuseppe Conte foi reconduzido no cargo depois de ter colocado este à disposição após uma moção de censura apresentada pelo partido do antigo ministro do Interior, Matteo Salvini.

Novo governo

Conte nomeou o líder do 5 Estrelas, Luigi di Maio, como chefe da diplomacia. Para o cargo das Finanças, Conte nomeou Roberto Gualtieri do Partido Democrático. O ministro já anunciou que a prioridade era o orçamento de estado.

O cargo de ministro do Interior foi atribuído a Luciana Lamorgese, funcionária pública sem afiliação partidária e antiga chefe dos serviços de segurança de Milão e Veneza.

O novo executivo conta com um total de sete mulheres. Entre elas, coube a Paola De Micheli, do Partido Democrático, a pasta das infraestruturas e transportes a quem caberá lidar com o controverso dossier relativo à linha de alta velocidade entre Turim e Lyon.

O novo governo irá redobrar os esforços com vista a lidar com as taxas elevadas de desemprego, endividamento e insatisfação relativamente aos migrantes e à relação entre Itália e Bruxelas.

A correspondente da euronews em Roma, Elena Cavallone, afirma:

"A formação do novo executivo sucedeu-se a semanas de negociações e momentos de tensão entre os novos aliados. O novo executivo, com Giuseppe Conte à cabeça, representa uma abordagem mais europeia contando com figuras próximas de Bruxelas em vários ministérios-chave. A União Europeia continua a acompanhar a situação com atenção. Cabe ao novo executivo recuperar a confiança dos parceiros europeus começando por apresentar um orçamento em linha com os limites definidos por Bruxelas assumindo ao mesmo tempo um lugar de liderança no seio da UE".