EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Itália vira azimute para Bruxelas

Giuseppe Conte no Palácio do Quirinal
Giuseppe Conte no Palácio do Quirinal Direitos de autor REUTERS/Ciro de Luca
Direitos de autor REUTERS/Ciro de Luca
De  Teresa BizarroElena Cavallone
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Conte promete um país mais solidário. Salvini protesta e marca manifestação para 19 de outubro

PUBLICIDADE

O discurso em Itália já começou a mudar. O país virou definitivamente o azimute para Bruxelas. Giuseppe Conte usa o chavão de que é preciso "transformar a crise em oportunidade" aponta o caminho dizendo querer um país "mais justo, mais competitivo, mais solidário e mais inclusivo".

Declarações esta quinta-feira, já depois de ter sido convidado a formar governo pelo Presidente Sergio Mattarella e levado os líderes do Partido Democrático e do Movimento 5 Estrelas - dois inimigos dos últimos meses - a selar um pré-acordo de entendimento. Ainda assim, o 5 Estrelas não esconde as cautelas. Em declarações à Euronews, Michele Sodano, deputado do 5 Estrelas, afirma que não se pode chamar à coligação uma aliança. "É um novo contrato de governo, exatamente como fizemos com a Liga no ano passado", diz, acrescentanto que apesar de serem "pós-ideologias", têm "de dar resposta ao país" que lhes deu 34% dos votos, em março de 2018. "É por isso que não podemos interromper aqui a legislatura. O Partido Democrático e outras forças de esquerda mostraram ser responsáveis e, assim sendo, penso que vai haver um acordo", acrescenta.

Matteo Salvini apressou-se a responder nas redes sociais. Derrotado no parlamento, Salvini, a quem as sondagens dão mais de 30 por cento das intenções de voto, marcou uma manifestação de protesto em Roma para 19 de outubro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Novo executivo italiano já entrou em funções

Itália apresenta novo executivo de coligação

Giuseppe Conte tenta formar Governo