Última hora

Concurso público de exploração de diamantes apresentado no Dubai

Ministro Diamantino de Azevedo explicou operação internacional à Euronews
Ministro Diamantino de Azevedo explicou operação internacional à Euronews
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Angola apresenta esta terça-feira no Dubai as condições de acesso ao concurso público para a atribuição de direitos mineiros para prospeção e exploração de duas concessões diamantíferas, duas de fosfato e uma de ferro.

De acordo com Diamantino de Azevedo, ministro dos Recursos Minerais e Petróleos de Angola, foram selecionados Dubai, Londres, Pequim e Nova Iorque para estas apresentações internacionais por serem locais com representações de diversas empresas internacionais do setor dos recursos minerais.

As concessões alvo de licitações estão localizadas nas províncias de Cabinda, Cuanza Norte, Lunda Norte e Lunda Sul. Entre elas, inclui-se um dos maiores depósitos de rochas diamantíferas do mundo

Pequim é a próxima cidade a acolher o "roadshow" angolano, que tem previsto escalas, como já referido, também na capital do Reino Unido e em Nova Iorque, nos Estados Unidos.

Terminada a ronda de licitações iniciada a 27 de agosto em Luanda, está previsto para 1 de outubro a abertura do concurso onde serão apresentados os termos de referência e estabelecido um prazo aos interessados para apresentarem candidaturas.

O titular da pasta, Diamantino de Azevedo, referiu que este concurso público visa não só atrair investimentos estrangeiros mas também acabar com os monopólios no referido setor.

Estado atual do setor Mineiro em Angola

O setor mineiro em Angola tem vindo a sofrer uma série de reestruturações, incluindo a modernização da legislação existente e a criação da Agência Nacional dos Recursos Minerais.

O Governo de Luanda procura também fortalecer o Instituto Geológico de Angola através da criação de três novos laboratórios no sul do país, no nordeste e outro na capital, apostando também em mudanças na orgânica da empresa Endiama para facilitar a dispersão em bolsa.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.