Última hora

Carola Rackete recebe medalha de honra do parlamento catalão

Carola Rackete recebe medalha de honra do parlamento catalão
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Carola Rackete recebeu uma medalha de honra do parlamento catalão, em Barcelona. Ao lado de Oscar Camps, fundador da Organização Não-Governamental (ONG) Open Arms, a comandante do navio de resgate Sea-Wahtch3 foi distinguida com o ouro pelo salvamento de 42 migrantes, em junho, depois de ter desembarcado à força, na ilha de Lampedusa.

O ato desafiou as autoridades italianas e as ordens de Salvini, que mantinham os portos do país fechados e valeu a detenção da comandante. Mas, para Rackete, nessa decisão, o fim justificou os meios.

"Ainda estou sob investigação das autoridades italianas, mas estou preocupada? Honestamente, não. Porque as minhas ações foram justificadas. O que me preocupa são as injustiças deste mundo, alimentadas por um sistema económico baseado no crescimento e estruturas de poder político que remontam a tempos coloniais, afirmou a comandante durante o discurso de aceitação da medalha.

Três meses depois de ter sido detida, a comandante está determinada em voltar ao mar e aos salvamentos.

Para Rackete, "é necessário fazer alguma coisa urgentemente, porque há pessoas a perder a vida todas as semanas no mar Mediterrâneo, que encaro como a nossa fronteira comum na Europa. Portanto, acho que proteger estas pessoas é um dever dos cidadãos europeus".

Carola Rackete está acusada de ter posto em perigo as vidas dos polícias a bordo de um barco de patrulha durante a entrada ilegal no porto de Lampedusa. Mas a comandante espera ver provada a inocência em tribunal e já apresentou queixa por difamação contra Matteo Salvini, pedindo que as contas nas redes sociais do ex-ministro italiano do Interior sejam fechadas por incitarem ao ódio.

Apesar de poder enfrentar uma pena de 20 anos, Rackete diz-se mais interessada em continuar a missão que aos olhos de uma parte do mundo a tornou numa heroína e apela à União Europeia para criar uma política comum de redistribuição de migrantes pelos Estados-membros.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.