A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

A longa agonia do lago Koroneia

A longa agonia do lago Koroneia
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Em tempos, o lago Koroneia, no norte da Grécia, abrangeu 4500 hectares. A memória desses tempos pertence ao passado, nas últimas três décadas o lago encolheu para um terço do tamanho original e os últimos três anos têm sido particularmente dolorosos. Desde 2016, o nível de água caiu 70%.

O resultado são milhares de peixes mortos. A bióloga Athena Patsia lamenta as altas temperaturas e a falta de chuva mas sublinha que para o lago ser capaz de reter essa água, é necessária uma boa gestão dos recursos hídricos, o que não tem acontecido.

Os esforços desenvolvidos pelas autoridades locais para tentar evitar a morte de uma área protegida têm sido insuficientes e para piorar a situação, os verões na região têm sido cada vez mais quentes e longos.

De acordo com o veterinário, Vangelis Tsiamantis, "quando falta a chuva, os níveis de água baixam e nessas condições desenvolvem-se alguns tipos de algas que produzem biotoxinas. Como resultado morrem grandes quantidades de peixe. Não é a primeira vez que acontece. Estamos a recolher amostras de água e peixe para determinar os níveis de oxigénio e biotoxinas."

O cenário está longe de ser animador. A não ser que haja uma mudança radical nos próximos tempos, com o lago morre também toda uma região que dependia da sua água.