EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Operação de repatriamento continua

Operação de repatriamento continua
Direitos de autor REUTERS/Jorge Delgado
Direitos de autor REUTERS/Jorge Delgado
De  Joao Duarte Ferreira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Colapso da agência Thomas Cook afeta cerca de 150 mil turistas britânicos e não só

PUBLICIDADE

O colapso da agência de viagens Thomas Cook fez-se sentir para além da Europa.

Para as autoridades britânicas, trata-se da maior operação de repatriamento efetuada em tempo de paz.

Outros operadores incluindo a Easyjet e a Virgin colocaram aparelhos à disposição.

Prevê-se que a operação venha a durar cerca de duas semanas.

Na segunda-feira, foram repatriadas 14 700 pessoas num total superior a 130 mil que ainda se encontram no estrangeiro.

Todos os clientes podem reclamar indemnizações através do sistema Atol ou através de cartões de crédito ou seguros de viagem.

"Lamento muito o que passa com os funcionários da Thomas Cook e todos estão a fazer o que podem mas estou desiludida pela forma como as férias terminaram", afirma Amanda Pew, uma turista britânica afetada pelo colapso da agência.

Cerca de 50 mil turistas encontram-se bloqueados na Grécia, 21 mil na Turquia, 15 mil em Chipre e 4 500 na Tunísia.

Milhares encontram-se ainda nos Estados Unidos e dezenas de outros países.

A maior parte dos turistas afetados são britânicos, cerca de 150 mil, seguidos de alemães com cerca de 140 mil.

Foi às primeiras horas de segunda-feira que uma das agências de viagens mais antigas do mundo abriu falência depois do colapso de negociações com os investidores.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Problemas da Thomas Cook vêm de longe

Filiais Thomas Cook na Bélgica e Alemanha operacionais

500 turistas retidos no Algarve