Em busca de uma geringonça 2.0

António Costa. ANTÓNIO COTRIM/LUSA
António Costa. ANTÓNIO COTRIM/LUSA Direitos de autor © 2019 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.ANTÓNIO COTRIM
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

António Costa reuniu com cinco partidos com representação parlamentar e chegou ao fim do dia sem qualquer acordo escrito

PUBLICIDADE

Em busca de uma geringonça 2.0. António Costa passou esta quarta-feira em negociações com cinco dos partidos com representação parlamentar para tentar encontrar uma solução de governabilidade para o próximo executivo. O dia chegou ao fim sem acordo mas com diferentes manifestações de abertura a entendimentos com o PS.

O Bloco de Esquerda voltou a mostrar disponibilidade para um acordo escrito e os dois partidos irão prosseguir as negociações. Um cenário recusado pelo PCP, que no entanto garantiu que por princípio, não será um obstáculo à governabilidade, acrescentando que irá analizar os orçamentos ano a ano, sem qualquer tipo de compromisso.

Apesar dos quatro anos de sucesso com Bloco e PCP, o líder socialista assegurou que não daria preferência a nenhuma das forças políticas contactadas. Além dos velhos parceiros, António Costa reuniu também com os Verdes, o Livre e o PAN.

Tal como os Comunistas, os Verdes recusaram um acordo escrito mas mostraram-se disponíveis para apreciações conjuntas prévias de documentos fundamentais com o PS. Também o Livre mostrou abertura para acordos pontuais com o PS, apelando a uma "união multipartidária à esquerda".

Por fim o Pessoas, Animais e Natureza. Depois de quadruplicar o número de deputados, o partido de André Silva mostrou "vontade que haja estabilidade política", deixando no ar a possibilidade de um acordo com os socialistas. Para o PAN, decisões, só na próxima semana.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

As cinco divergências do frente a frente entre Luís Montenegro e Pedro Nuno Santos

Sondagem exclusiva Euronews/SOL: AD na frente com 30% e direita com maioria

AD vence eleições nos Açores sem maioria absoluta