A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Catalunha: As etapas de uma independência abortada

Catalunha: As etapas de uma independência abortada
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Após anos de preparação, os defensores da independência da Catalunha ultrapassaram os limites da legalidade constitucional a 6 de setembro de 2017. Modificando a agenda do parlamento regional e, na ausência dos eleitos da oposição, aprovaram uma lei de referendo. Embora o secretário-geral da câmara se tenha recusado a assiná-la, o presidente do governo catalão, Carles Puigdemont, convocou a votação para 1 de outubro.

O braço-de-ferro com Madrid

Um dia mais tarde, o Tribunal Constitucional de Espanha admitiu os recursos do governo central e suspendeu a autonomia da Catalunha, mas os separatistas usaram sua maioria no parlamento regional para aprovarem o calendário para a independência.

A 20 de setembro, as forças de segurança entraram em vários conselhos e prenderam 14 pessoas ligadas ao movimento pela independência. Dezenas de milhares de pessoas cercaram o Ministério da Economia, em Barcelona, danificando veículos e exigindo respostas. Entre os contestatários estavam figuras separatistas importantes, como Jordi Sánchez e Jordi Cuixart, líderes das organizações independentistas ANC e Òmnium Cultural.

O referendo

Embora os tribunais tenham ordenado o encerramento das assembleias de voto e a polícia tenha intercetado milhares de boletins de voto, ocorreu uma votação no dia 1 de outubro. Milhares de polícias e forças de segurança foram enviadas para a Catalunha. As imagens da carga policial sobre os eleitores correram o mundo. O governo regional declarou que 90% dos votantes escolheram a independência.

A tentativa de diálogo

Dois dias depois, o rei Felipe VI pede a restauração da ordem constitucional na Catalunha, num dia que a região vivia uma greve geral, mas, no parlamento, Carles Puigdemont declarava unilateralmente a independência da Catalunha, deixando a medida em suspenso e pedindo diálogo com Madrid.

A declaração de independência

Dias depois, os líderes detidos, foram libertados. No dia 27 de outubro de 2017 e, novamente sem a presença da oposição, o Parlamento declarou a independência. O Governo central espanhol suspendeu o mandato a Puigdemont e a todo o governo catalão.

Nas malhas da justiça

Puigdemont fugiu para Bruxelas. O vice-presidente, Oriol Junqueras decidiu ficar e enfrentar a justiça. No dia seguinte, o procurador-geral do Estado acusou de "rebelião e abuso de fundos públicos" Puigdemont, 13 conselheiros, o ex-presidente do parlamento e os cinco membros da mesa que processou a declaração de independência.