EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Sánchez indulta independentistas catalães

Sánchez indulta independentistas catalães
Direitos de autor Pablo Blazquez/Copyright 2019 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Pablo Blazquez/Copyright 2019 The Associated Press. All rights reserved
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O primeiro-ministro espanhol avança, apesar da contestação da direita, para o perdão dos líderes catalães condenados por secessão

PUBLICIDADE

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, anunciou, esta segunda-feira, em Barcelona, que vai dar luz verde na terça-feira ao polémico perdão dos nove líderes catalães separatistas presos pelo envolvimento no referendo pela independência da Catalunha, no outono de 2017.

"Concórdia" controversa

A medida é, nas palavras do primeiro-ministro espanhol, uma mensagem de "concórdia", com vista a relançar o diálogo com o governo regional, numa tentativa de "enfrentar o problema".

“Amanhã, guiado pelo espírito de concórdia da Constituição, proponho ao Conselho de Ministros que conceda perdão aos nove condenados” pelo seu papel nesta tentativa de secessão com penas que variam de nove a 13 anos de prisão, anunciou um o líder socialista no teatro Liceu, enquanto o público gritava por uma "amnistia" total.

A condenação de 12 políticos catalães, há três anos e meio, por sedição, desobediência e desvio de dinheiros públicos resultou do envolvimento dos ativistas num referendo pela independência da Catalunha, a 1 de outubro de 2017, considerado ilegal pela Justiça espanhola.

A decisão anunciada esta segunda-feira por Sánchez é, no entanto, controversa. De um lado, os independentistas exigem ao governo espanhol uma amnistia total e o direito à autodeterminação. Do outro, a oposição à direita acusa o Governo de "vender Espanha" aos separatistas.

O primeiro-ministro diz "compreender as razões da rejeição", mas defende que "futuro deve importar muito mais do que o passado". Com esta medida, Sánchez diz ainda acreditar estar aberta a porta para "começar de novo e de fazer as coisas melhor".

A medida do executivo será explicada ao Congresso, a 30 de junho, pelo primeiro-ministro espanhol.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Governo espanhol aprova perdão a separatistas catalães

Catalunha: Quim Torra promete recorrer aos tribunais europeus

Catalunha: As etapas de uma independência abortada