Última hora

Kipchoge completa maratona em menos de duas horas!

Kipchoge completa maratona em menos de duas horas!
Direitos de autor
REUTERS/Leonhard Foeger
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Foi quebrada aquela que muitos chamavam a "derradeira barreira" no atletismo: Eliud Kipchoge cumpriu, em Viena, uma maratona em menos de duas horas.

Depois de uma tentativa infrutífera em Monza, em Itália, em 2017 (onde tinha cumprido os 42,195km em 2h00m25s), o atleta queniano fez história este sábado, percorrendo a distância em 1h59m40s.

Na primeira reação a quente, Kipchoge lembrou outro momento histórico, a milha cumprida em menos de quatro minutos pelo britânico Sir Rober Bannister em 1954:

"Sinto-me bem. Foram precisos 65 anos para um ser humano fazer história no desporto desde Roger Bannister. Ele fez história em 1954. Eu tentei, 63 anos depois, mas sem conseguir... Agora passaram 65 anos, voltei a tentar e sou o homem mais feliz que existe, por ter corrido em menos de duas horas, servindo de inspiração para muitas pessoas. Para lhes dizer que nenhum humano tem limites. Podem fazê-lo e espero, depois de hoje, ver mais disto por todo o mundo, correr abaixo das duas horas."

Já detentor do recorde do mundo oficial, estabelecido na Maratona de Berlim em 2018 com uma marca de 2h01m39s, Kipchoge tem certamente agora os olhos postos em repetir a marca numa corrida oficial e não apenas num evento exclusivamente preparado para o efeito, como foi o caso na capital austríaca.

Apesar de histórica, a marca estabelecida esta sábado não é homologada pela IAAF (Associação Internacional de Federações de Atletismo, orgão que gere o atletismo a nível mundial) por não ter sido estabelecida numa maratona oficial e pelas condições particulares do evento especialmente preparado em Viena (no qual Kipchoge contava, nomeadamente, com várias equipas de "pacers" para o ajudar a manter o ritmo e lhe conferir supostamente uma vantagem aerodinâmica).

View this post on Instagram

HISTORY!

A post shared by Eliud Kipchoge (@kipchogeeliud) on

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.