Última hora

Crescimento económico não era tão lento desde a crise financeira de 2008

Crescimento económico não era tão lento desde a crise financeira de 2008
Direitos de autor
Reuters
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O crescimento da economia global está a abrandar para o ritmo mais lento desde a crise financeira de 2008. O Fundo Monetário Internacional reviu em baixa as suas estimativas para o crescimento do PIB mundial para 3% em 2019, uma queda de duas décimas percentuais, e 3,4% em 2020.

O "World Economic Outlook" aponta o dedo à guerra comercial que Estados Unidos e China têm vindo a travar e que levou a um abrandamento da economia de ambos os países.

Gita Gopinath, economista-chefe do FMI, refere que "o maior risco revelado pelo relatório prende-se com o aumento das tensões comerciais e geopolíticas, que podem descarrilar a frágil retoma económica que estamos a projetar".

Efetivamente, o crescimento comercial para 2019 é menos de um terço do verificado o ano passado e não deverá ir além de 1,1%. Sete economias do G20 fecharão o ano com um crescimento inferior a 1% e a China ficará abaixo dos 6% pela primeira vez em trinta anos.

O problema é geral e não há margem para erros, importa avançar com uma politica de estímulos orçamentais, para Gita Gopinath "os decisores políticos deviam remover as barreiras comerciais" por forma a incentivar o crescimento.

Em contraste com a previsão global, surge a previsão para a economia portuguesa, com o FMI a rever em alta o crescimento para os próximos dois anos. Para 2019 a previsão de crescimento é agora de 1,9% (era de 1,7% na previsão de abril), no ano seguinte estima-se que a economia portuguesa cresça 1,6% (1,5% na previsão anterior).

Os números vão ao encontro das previsões de crescimento efetuadas pelo governo e colocam o crescimento português acima da média europeia.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.