Michael Bloomberg confirma candidatura à presidência dos EUA

Michael Bloomberg confirma candidatura à presidência dos EUA
De  João Paulo Godinho
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O bilionário de 77 anos é o mais recente candidato a entrar na muito concorrida lista do Partido Democrata para as eleições de 2020.

PUBLICIDADE

O empresário Michael Bloomberg anunciou formalmente este domingo que é candidato à nomeação do Partido Democrata para as próximas eleições presidenciais dos Estados Unidos da América, em 2020.

Após meses de rumores e indecisão, o antigo 'mayor' da Câmara de Nova Iorque (2001-2013) confirmou a candidatura e assumiu-se disposto a "reconstruir a América", após o que diz serem quatro anos de "ações imprudentes e antiéticas de Donald Trump".

Para Bloomberg, uma eventual reeleição do atual presidente pode ser um golpe demasiado profundo para o futuro do país.

"Se ele conseguir outro mandato, nunca poderemos recuperar dos danos. Os sinais não poderiam ser mais visíveis. Temos de vencer estas eleições. E devemos começar a reconstruir a América. Acredito que com a minha experiência em negócios, governo e filantropia conseguirei ganhar", declarou.

Bloomberg – que chegou a pertencer ao Partido Republicano, tornou-se independente e, em 2018, inscreveu-se no Partido Democrata – chegou a admitir uma candidatura presidencial em 2016, mas recuou para apoiar Hillary Clinton na corrida que a antiga senadora acabaria por perder contra Donald Trump.

Com 77 anos, Michael Bloomberg espera recuperar o atraso para os outros 17 candidatos democratas à nomeação. Devido à entrada tardia nas primárias democratas, o 'staff' do antigo 'mayor' de Nova Iorque revelou que ele não vai competir nas quatro primeiras votações, a terem lugar em fevereiro nos estados de Iowa, New Hampshire, Nevada e Carolina do Sul.

O empresário e filantropo aposta numa estratégia pouco convencional - e que nunca teve sucesso em campanhas para presidenciais americanas - de conquista do apoio só a partir dos estados que realizam as primárias em 3 de março, também conhecido como 'Super Terça-feira' e considerado um dia fundamental em todo o processo eleitoral.

O bilionário ligado aos media e ao setor financeiro, dono da nona maior fortuna do mundo, avaliada em mais de 50 mil milhões de euros, adiantou que não vai receber donativos e que vai financiar pessoalmente a sua campanha.

Aos 77 anos, Michael Bloomberg espera recuperar o atraso para os outros 17 candidatos democratas à nomeação.

Outras fontes • Reuters / Lusa / CNN

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Trump paga 175 milhões de dólares para evitar apreensão de bens em caso de fraude

Trump diz que não tem dinheiro para pagar caução de 454 milhões de dólares ao tribunal

Presidente dos EUA ataca Putin e Trump no discurso do Estado da União