This content is not available in your region

Sismo faz mais de duas dezenas de mortos em cidades albanesas

Access to the comments Comentários
De  Nara Madeira
Sismo faz mais de duas dezenas de mortos em cidades albanesas

O esforço para encontrar sobreviventes, do sismo na Albânia, continua. O número de mortos, na sequência do tremor de terra de 6,4 na escala de Richter, da madrugada de terça-feira, ultrapassa as duas dezenas. Há pessoas ainda presas sob os escombros. Outras conseguiram ser resgatadas. Há mais de uma centena de feridos.

Eram cerca das 4h da manhã, uma hora a mais do que em Lisboa, quando a terra tremeu. O terramoto mais poderoso que atingiu a Albânia nos últimos 30 anos, abalou a capital Tirana, o oeste e norte do país.

"O terramoto cortou a eletricidade, não conseguíamos ver nada, desmoronou tudo", adianta um residente de um dos locais mais atingidos.

O epicentro deste sismo localizou-se a 10 quilómetros da cidade portuária de Durres, não muito longe da capital albanesa. Durres e Thumane foram as áreas mais atingidas. Destruiu edifícios e criou uma onda de pânico até porque se seguiu cerca de uma centena de réplicas. Os médicos nos hospitais não têm mãos a medir:

"Têm, principalmente, lesões na cabeça e nos membros. Estão sob intensa supervisão desde que chegaram aqui. Outras pessoas tiveram ferimentos ligeiros. Todos receberam o tratamento necessário e deixaram o hospital", explica o médico chefe do Hospital Universitário de Traumatologia, Arben Zenelaj.

No terreno esperava-se a chegada de profissionais e equipamento especializado enviados pela NATO, Itália, Roménia, Turquia, Grécia Croácia e Sérvia. O Kosovo, país vizinho, já enviou ajuda.

Localizada ao longo dos mares Adriático e Jónico, entre a Grécia e a Macedónia, a Albânia é alvo de atividade sísmica regular mas o anterior tremor de terra mais violento, em 1979, não fez vítimas mortais.