Última hora

Espanha investiga narcotraficantes galegos

Espanha investiga narcotraficantes galegos
Tamanho do texto Aa Aa

Três toneladas de cocaína, um total de 152 fardos de droga, com um valor estimado de mercado de 100 milhões de euros.

Foi o que as autoridades espanholas retiraram do interior de um submarino, construído de propósito para o tráfico de droga, apreendido no passado fim de semana, na Galiza, noroeste de Espanha.

Três organizações galegas de narcotraficantes estão a ser investigadas.

A operação internacional, coordenada pelo Centro de Análise e de Operações contra o Narcotráfico Marítimo (MAOC-N, na sigla inglesa), onde estiveram envolvidas as autoridades portuguesas e espanholas, permitiu a apreensão do submarino e droga, e a prisão de dois dos três tripulantes.

Não foi a primeira vez que um narcosubmarino foi capturado pelas autoridades, mas é a primeira vez que acontece na Europa.

"É uma operação histórica, vai marcar um antes e depois porque, obviamente, a partir daqui, há uma nova hipótese de trabalho para os órgãos e forças de segurança, que é a possível chegada de submarinos desta dimensão às costas europeias," afirmou o delegado do Governo espanhol na Galiza, Javier Losada.

De acordo com o jornal La Voz de Galicia, a embarcação de 20 metros, que terá sido construída na Guiana, cruzou o Oceano Atlântico, passou por Cabo Verde e ao largo da costa portuguesa.

Sabe-se que a carga vinha da Colômbia e que navegaram durante cerca de vinte dias.

O mau tempo, avarias e falta de combustível terão impossibilitado que os traficantes transferissem a cocaína para uma segunda embarcação.

As investigações agora estão focadas em determinar qual a organização criminosa que receberia a droga,

De qualquer forma, apenas uma organização muito poderosa poderia ter lançado uma operação desta envergadura.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.