Última hora
This content is not available in your region

Franceses em protesto e greve contra reforma das pensões de Macron

euronews_icons_loading
Franceses em protesto e greve contra reforma das pensões de Macron
Direitos de autor  شارل بلاسيو/رويترز
Tamanho do texto Aa Aa

Em França, continuam as greves e os protestos, mas nem todos apenas contra a reforma das pensões. No setor do transporte de mercadorias vários camiões voltaram a parar, em Toulouse, contra o aumento no preço dos combustíveis.

A grande paralisação aconteceu no dia cinco mas a greve continua em vários setores como o do transporte de passageiros, autocarros, metro, e principalmente comboios, e por tempo indeterminado. Uma dor de cabeça para quem não pode ou não quer ficar em casa, em várias cidades do país, numa altura em que se aproxima o Natal:

"A greve é um direito adquirido, é algo normal, mas para os utilizadores é preciso fazer malabarismos. Ontem levei três horas para chegar a casa. É difícil, depois de uma jornada de trabalho, passar três horas nos transportes e passar por todas essas dificuldades", explica uma francesa.

"De vez em quando a questão das pensões volta a ser falada na Alemanha. Por isso, é uma questão que é preciso considerar e se não ficar resolvida sai-se para as ruas, em Democracia é o que se faz", adianta um turista alemão.

"No Canadá não é assim. Não mantemos os viajantes sequestrados. Isso é muito desagradável. Mas, de qualquer forma, voltaremos porque adoramos França", desabafa uma turista canadiana.

Em Paris os coletes amarelos votaram a sair às ruas este sábado. Para a próxima semana espera-se novo movimento de protesto, terça-feira, um dia antes da reforma das pensões ser apresentada.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.