Última hora
This content is not available in your region

Último frente a frente entre Johnson e Corbyn antes das eleições

euronews_icons_loading
Último frente a frente entre Johnson e Corbyn antes das eleições
Direitos de autor  Reuters
Tamanho do texto Aa Aa

Os dois principais candidatos à liderança do governo britânico participaram no último debate televisivo antes das eleições gerais marcadas para a próxima quinta-feira.

Boris Johnson, do Partido Conservador, e Jeremy Corbyn, do Partido Trabalhista, esgrimiram argumentos com o Brexit como pano de fundo.

"Eles precisam de um governo ambicioso que lhes coloque dinheiro no bolso, que salve o nosso Serviço Nacional de Saúde, que reconstrua os nossos serviços públicos, que ofereça cuidados de saúde gratuitos para os mais velhos e educação gratuita para todos. Um voto nos idosos e educação gratuita para todos. Sim, isso significa que os mais ricos terão que pagar mais impostos. Um voto nos Trabalhistas é um voto na esperança, numa mudança, um país que funcione para todos, não apenas alguns", propõe o líder da oposição, Jeremy Corbyn.

Para o primeiro-ministro, Boris Johnson, tudo se resume à conclusão do processo de saída do Reino Unido da União Europeia.

"Podemos concluir o Brexit. Podemos acabar com este marasmo. Podemos transformar o nosso país com enormes investimentos na saúde. Mais cinquenta mil enfermeiras. Mais financiamento para cada escola. Mais vinte mil polícias nas ruas. Podemos criar oportunidades de forma mais justa através de infraestruturas fantásticas, educação e tecnologia. A única forma de libertar o potencial deste país é através de uma maioria conservadora", disse o atual primeiro-ministro Boris Johnson, líder do Partido Conservador.

Para além do Brexit, o debate abordou ainda questões como o futuro do serviço nacional de saúde, a segurança e a Irlanda do Norte.

Os britânicos são chamados a escolherem um novo governo pela segunda vez em dois anos.

Nas últimas eleições gerais, em 2017, o governo da antiga primeira-ministra Theresa May perdeu a maioria parlamentar sendo forçado a aliar-se aos unionistas da Irlanda do Norte.