Última hora
This content is not available in your region

Futuro da Indústria: Como as máquinas se adaptam aos humanos

Futuro da Indústria: Como as máquinas se adaptam aos humanos
Tamanho do texto Aa Aa

A quarta revolução industrial - Indústria 4.0 - já está a caminho de se tornar real. Com a chegada desta quarta revolução industrial, o mundo da manufatura moderna está a mover-se em direção a uma maior automação. Os locais de trabalho da linha da frente estão a substituir as estações existentes e o relacionamento entre o homem e a máquina está a dar um salto.

Anteriormente, esperava-se que as pessoas se adaptassem aos requisitos de uma máquina. Agora, sistemas automatizados estão a ser projetados e desenvolvidos para que possam reconhecer os usuários, lembrar as suas capacidades, habilidades e preferências e adaptarem-se de acordo com a pessoa que as usa.

Ninguém conhece o trabalho melhor do que a pessoa que o faz - essa é a ideia por detrás de um novo projeto que visa conhecer melhor os trabalhadores das fábricas.

Em Seinajoki, Finlândia, a empresa de metais Prima Power está a testar duas das soluções de projeto Factory2Fit da UE. Este estudo de 4 milhões de euros explora novas maneiras de trabalhar com pessoas e máquinas. A Dr. Eija Kaasinen, do centro de pesquisa técnica VTT, diz que o objetivo é colocar as pessoas no centro para permitir que participem no projeto do seu próprio ambiente de trabalho.

Os trabalhadores também terão voz na organização do trabalho e poderão compartilhar os seus próprios conhecimentos práticos com os colegas.

Globalmente, a automação e a robótica estão a tranformar a manufatura como parte da quarta revolução industrial. Mas isso não significa que o elemento humano seja removido do trabalho.

"É claro que existem elementos manuais - mas o trabalho está a mudar para o conhecimento", explica o Dr. Eija Kaasinen. "É mais como trabalhar com os colegas virtuais das coisas físicas no mundo físico".

A solução de pré-formação, por exemplo, usa modelos 3D e tutoriais baseados em cloud.

A solução de compartilhamento de conhecimento é uma maneira de aproveitar ao máximo toda a experiência que um trabalhador obtém enquanto executa máquinas complexas, especialmente quando algo falha.

"Portanto, aqui o operador pode abrir a caixa de diálogo adicional para obter informações extras sobre a situação", explica Mariia Kreposna, de Seinajoki. "Isso é feito compartilhando texto, descrição, fotos ou vídeos adicionais, para que a idéia seja futuramente sempre que o alarme com o mesmo código ocorrer, o operador poderá aprender não apenas os remédios padrão, mas também outros possíveis motivos e como para impedir que esse alarme aconteça no futuro".

Pulseira que avalia o bem-estar do trabalhador

Na fábrica da Elekmerk em Keuruu, Finlândia, os trabalhadores testaram o Painel de Feedback do Trabalhador - uma ferramenta de monitoramento biométrico - como um fitbit - e um aplicativo.

Ele regista o trabalho do operador, o bem-estar - como sono - e mostra como os dois podem ser vinculados.

"Quando entrevistamos os trabalhadores da fábrica durante o projeto, ouvimos dizer que eles frequentemente apresentavam um feedback negativo quando algo não estava indo bem", diz Päivi Heikkilä da Elekmerk.

Ville Vuarola foi um dos cinco trabalhadores que usavam a pulseira para o esquema piloto de três meses. Ele diz-se feliz em participar e diz que ficou surpreendido ao ver como uma boa noite de sono teve um impacto positivo no seu trabalho.

"Fiquei surpreendido ao ver como dormir bem influenciou meu desempenho no trabalho. Juntamente com as atividades de lazer, o sono foi realmente importante para o meu desempenho geral no trabalho", conta.

De todas as soluções Factory2Fit, essa foi a mais controversa com os receios expressos sobre o possível uso indevido dos dados dos trabalhadores.

Mas Päivi Heikkilä diz que estas preocupações são infundadas.

"Quando estamos a desnevolver este tipo de solução, consideramos sempre a ética", conta, "e quero enfatizar e destacar que isso sempre deve ser voluntário".

Os dados recolhidos são mantidos num servidor separado, não no sistema de fábrica.

Os investigadores esperam que pelo menos algumas das suas soluções Factory2Fit estejam disponíveis comercialmente até o final do próximo ano.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.