Última hora
This content is not available in your region

Grécia dá vantagens fiscais a ricos estrangeiros que invistam

euronews_icons_loading
Grécia dá vantagens fiscais a ricos estrangeiros que invistam
Tamanho do texto Aa Aa

À semelhança do que outros países, como Portugal, têm feito, também a Grécia tem agora um programa para atrair estrangeiros ricos. Um programa com o objetivo de trazer dinheiro para o país, mas ao mesmo tempo alvo de críticas.

Quem mudar a residência fiscal para a Grécia e investir pelo menos 500 mil euros no país, fica sujeito a uma taxa fixa de 100.000 euros, sem ter de pagar outros impostos, nomeadamente sobre a fortuna, durante um máximo de três anos.

"As pessoas com grandes fortunas têm várias formas de escapar aos impostos. O que nos interessa são pessoas ricas que vêm investir na Grécia e viver aqui, se possível. Temos um grande número de projetos de investimento, de todos os tipos, grandes e pequenos, do imobiliário aos negócios com grande potencial de retorno", explica o vice-ministro grego das Finanças, Theodoros Skilakakis.

Este programa, chamado "non dom", é já aplicado em países como o Reino Unido, Malta,Itáliae Chipre.

A repórter da euronews Symela Touchtidou conta-nos: "Na Europa, sites como os de algumas empresas jurídicas são cada vez mais populares. Dirigem-se, nas palavras dos críticos, à classe média dos ultra-ricos. Prometem formas fáceis de tirar partido de jurisdições de baixos impostos e poupar dinheiro".,

Para os críticos, sistemas como este quebram o contrato social na Europa: "Vemos uma proliferação de incentivos fiscais para ricos. Basicamente, estamos a roubar receita fiscal a outros países. Cria desigualdades estruturais no sistema fiscal e a Europa tem de fazer algo. Temos de estar num campo em que as pessoas mais ricas pagam mais e não menos", diz Sven Giegold, eurodeputado dos verdes.

Os críticos argumentam que o imposto sobre o rendimento é a mais importante fonte de receitas da Europa. Menos impostos implicam serviços públicos menos eficazes.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.