Última hora
This content is not available in your region

Líder do executivo escocês lança acusação aos conservadores

Líder do executivo escocês lança acusação aos conservadores
Tamanho do texto Aa Aa

Boris Johnson venceu, tranquilamente, as Legislativas britânicas mas não é apenas tranquilidade que o espera nos próximos meses. O Partido Nacional Escocês também conseguiu uma vitória, porque aumentou o número de mandatos e, isso deu força à líder do executivo da Escócia. Nicola Sturgeon promete luta:

"Penso que o risco para os conservadores, embora eu não esteja muito preocupada, é que quanto mais tentarem bloquear a vontade do povo escocês, mais desprezo eles demonstram pela democracia escocesa, e mais aumentam o apoio à independência, o que, de certa forma, é fazerem o meu trabalho", diz a líder do partido.

"Eles terão que aceitar que perderam. Terão que aceitar que o SNP venceu a eleição e lutámos com base no facto de o povo da Escócia ter o direito de escolher o seu próprio futuro Já temos um mandato para um referendo à independência", afirma o líder da bancada parlamentar do SNP, Ian Blackford.

Mas há quem, naturalmente, não esteja de acordo:

"Tivemos um referendo sobre se a Escócia deveria ou não separar-se do Reino Unido, em 2014. Disseram-nos que esse referendo resolveria a questão durante uma geração. Nesta eleição geral, acabamos de ver o que acontece quando os políticos tentam pôr em causa o resultado de um referendo. Devemos respeitar o resultado da consulta de 2014. A Escócia é mais forte no Reino Unido. Pode ser-se, ao mesmo tempo, orgulhosamente escocês e orgulhosamente britânico", adianta o ministro Michael Gove.

Em 2014, os escoceses foram chamados a votar num referendo sobre permanência ou não no Reino Unido, e decidiram ficar. Mas, na consulta de 2016 sobre o Brexit, a maioria votos contra a saída do país da União Europeia, enquanto a maior parte dos eleitores ingleses e galeses apoiaram a saída do país do bloco forte europeu.