EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Ex-primeiro-ministro vence primeira volta das presidenciais

Ex-primeiro-ministro vence primeira volta das presidenciais
Direitos de autor AP Photo/Darko Bandic
Direitos de autor AP Photo/Darko Bandic
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Croácia irá à segunda volta a 5 de janeiro. Zoran Milanovic enfrentará a presidente cessante Kolinda Grabar-Kitarovic

PUBLICIDADE

A primeira volta das eleições presidênciais na Croácia constituiu uma chamada de atenção ao poder conservador, a uma semana do país assumir a presidência rotativa da União Europeia.

O ex-primeiro-ministro da esquerda social-democrata Zoran Milanovic venceu o escrutínio, com cerca de 30 por cento dos votos, e lutará na segunda volta contra a presidente cessante, Kolinda Grabar-Kitarovic.

Milanovic afirmou que "nas próximas duas semanas, [vai] lutar para convencer todas as pessoas para as quais a Croácia é uma prioridade, de que é possível ter uma boa comunidade civil com todas as pessoas que vivem no país, que podem ser diferentes, mas devem ser tratadas de forma igual".

A chefe de Estado conservadora cessante obteve 26,6 por cento dos votos. Apesar dos resultados menos satisfatórios, Kitarovic está já de olhos postos na segunda volta, a 5 de janeiro.

A presidente croata felicitou os outros candidatos pelos resultados obtidos e fez questão de "agradecer, em particular, os eleitores que [lhe] conferiram a sua confiança, permitindo ir à segunda volta, no caminho para a vitória final".

O populista Miroslav Skoro ficou em terceiro lugar com 24,4 por cento dos votos, demonstrando a forte ascensão da direita nacionalista, num país confrontado a uma grande pressão migratória nas suas fronteiras.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Na Hungria, uma nova oposição liderada por Péter Magyar desafia Viktor Orbán

Opositor de Orbán mobiliza milhares em manifestação anti-governo

'Putin não ordenou a morte de Navalny', dizem agências de inteligência dos EUA